Aumento do ICMS é aprovado em 1º turno na ALMG

O Projeto de Lei que prevê o aumento da alíquota do ICMS em 2% foi aprovado em 1º turno na Assembleia de Minas; em uma votação apertada, com 35 votos favoráveis ao projeto contra 28 contrários, o projeto encaminhado pelo governador Fernando Pimentel teve 26 destaques, também votados de acordo com a vontade do Governo

O Projeto de Lei que prevê o aumento da alíquota do ICMS em 2% foi aprovado em 1º turno na Assembleia de Minas; em uma votação apertada, com 35 votos favoráveis ao projeto contra 28 contrários, o projeto encaminhado pelo governador Fernando Pimentel teve 26 destaques, também votados de acordo com a vontade do Governo
O Projeto de Lei que prevê o aumento da alíquota do ICMS em 2% foi aprovado em 1º turno na Assembleia de Minas; em uma votação apertada, com 35 votos favoráveis ao projeto contra 28 contrários, o projeto encaminhado pelo governador Fernando Pimentel teve 26 destaques, também votados de acordo com a vontade do Governo (Foto: Luis Mauro Queiroz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 -  O parlamento mineiro votou, em 1º turno, pelo aumento da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em 2%, incidindo em produtos como refrigerantes, ração tipo pet, entre outros. Em uma disputa acirrada, a base governista conseguiu que o projeto encaminhado por Fernando Pimentel obtivesse vitória, com 35 votos favoráveis contra 27 contrários. 

Outros destaques, em sua maioria da oposição também foram votados, mas o voto da maioria seguiu o encaminhamento do líder de governo Durval Ângelo (PT). 

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247