Aviação regional começa a decolar em Goiás

Governo incentiva segmento com redução do ICMS do querosene de 17 para 3%; Trip, Azul Sete e Passaredo firmam acordo para ampliar operações; voos regulares já são realidade em Rio Verde, Minaçu e Caldas Novas (foto); em Catalão, operação regular deve se iniciar em junho; Itumbiara, Porangatu, Mineiros, São Miguel do Araguaia e Posse estão em fase adiantada de adequação de suas infraestruturas aeroportuárias

Aviação regional começa a decolar em Goiás
Aviação regional começa a decolar em Goiás
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás Agora_ As obras de adequação no aeroporto de Catalão, a 249 quilômetros de Goiânia, estão sendo finalizadas e a expectativa da Goiás Turismo é que a cidade passe a receber voos regulares até o junho deste ano com a linha São Paulo-Catalão-Goiânia. A implementação de voo regular em Catalão integra o Programa de Incentivo à Aviação Regional – Voe Goiás, lançado em 2011 pelo Governo Estadual. Entre as medidas já em andamento estão a redução do ICMS do querosene de 17 para 3% e a assinatura de protocolo de intenções com as empresas Trip, Azul Sete e Passaredo.

O gerente de Política de Aviação Regional da Goiás Turismo, Alexandre Guerra do Nascimento, explica que as ações previstas no Voe Goiás estão sendo desenvolvidas no sentido de criar condições para que as empresas aéreas de aviação regular passem a operar em aeroportos do interior de Goiás, o que inclui obras de adequação em aeroportos e incentivos. “O combustível equivale a 40% dos custos de uma rota aérea. Por isso, o Voe Goiás prevê a redução do ICMS do querosene de aviação (QAV) de 17% para 3% para as empresas que atenderem os municípios do interior do Estado com voos regionais regulares. O programa também assinou protocolo de intenções com as empresas que demonstraram interesse e operar no interior goiano, assim que houver estrutura aeroportuária adequada”, afirma Alexandre Guerra.

A aviação regional regular já é realidade nos aeroportos de Rio Verde, Minaçu e Caldas Novas, que recebem vôos da Trip, Sete e Azul, respectivamente. Em Itumbiara e Porangatu, os projetos de adequação dos aeroportos já estão concluídos. Em Mineiros, o projeto está sendo estruturado. E diagnósticos estão sendo feitos nos municípios de São Miguel do Araguaia e Posse. “Além de levar mais um importante modal de transporte a municípios goianos, a aviação regular também leva mais desenvolvimento ao interior”, acrescenta Alexandre.

Goiás saiu na frente e agora recebe o reforço do Governo Federal com o lançamento do Plano Federal de Incentivo à Aviação Civil, no final de 2012. O plano prevê R$ 7 bilhões de investimentos em todo o País para estímulo aos voos regionais, com obras de infraestrutura e subsídio nas taxas aeroportuárias e nos valores das passagens. Desse total, Goiás deve receber R$ 392 milhões até 2015 para estruturação de dez aeroportos. Adicionalmente, o Plano de Ação Integrada de Desenvolvimento (PAI) lançado pelo Governo de Goiás no ano passado inclui obras em 14 aeroportos do Estado, incluindo aí também a aviação geral.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247