HOME > Geral

Bancada feminina quer suspensão de procurador que agrediu ex-esposa

Liderada pela deputada Margarida Salomão (PT-MG), a bancada feminina do PT na Câmara está colhendo assinaturas de parlamentares para pedir ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) a suspensão do procurador Douglas Ivanowski Kirchner, acusado de agredir a ex-mulher a golpes de cinto e socos no rosto, e de cárcere privado em 2014; nesta quarta-feira, a defesa do ex-presidente Lula também protocolou junto ao CNMP denúncia contra Kirchner por vazar à revista Época documentos em segredo de Justiça de investigação contra o ex-presidente

Liderada pela deputada Margarida Salomão (PT-MG), a bancada feminina do PT na Câmara está colhendo assinaturas de parlamentares para pedir ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) a suspensão do procurador Douglas Ivanowski Kirchner, acusado de agredir a ex-mulher a golpes de cinto e socos no rosto, e de cárcere privado em 2014; nesta quarta-feira, a defesa do ex-presidente Lula também protocolou junto ao CNMP denúncia contra Kirchner por vazar à revista Época documentos em segredo de Justiça de investigação contra o ex-presidente (Foto: Aquiles Lins)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Brasília 247 - Durante reunião da bancada feminina do PT na Câmara, realizada nessa quarta-feira, 2, a deputada Margarida Salomão (MG) apresentou um projeto para recolher assinaturas pedindo ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) a suspensão do procurador Douglas Ivanowski Kirchner. Kirchner é acusado de agredir, física e psicologicamente, a ex-mulher no ano de 2014.

Segundo o documento apresentado pela deputada, Kirchner era, na época, procurador-chefe da Procuradoria do Estado de Rondônia, surrou a mulher a golpes de cinto e socos no rosto, confinando-a em cárcere privado e privando-a de comida e sono, além de expô-la a situações constrangedoras na igreja em que participavam. Após as denúncias, o corregedor nacional do Ministério Público, Alessandro Assad, instaurou procedimento por "incontinência pública e escandalosa que compromete, por sua habitualidade, a dignidade da instituição do Ministério Público".

Por conta do caso, Kirchner foi transferido de estado. Hoje, está lotado no Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Em outubro de 2015, um ano após o ocorrido, foi instaurado processo administrativo contra Kirchner.

Segundo Margarida Salomão, o caso não deve ficar impune. "É um caso absurdo. Independente do cargo em que se ocupa, nenhum homem, por motivo algum, deve levantar a mão contra uma mulher, humilhá-la perante diversas pessoas. Isso é uma barbárie!"

Douglas Ivanowski Kirchner é acusado também pelo Instituto Lula de violação da privacidade do ex-presidente com o vazamento de cópias de documentos de investigação à revista Época, da Globo. A investigação corre em segredo de Justiça (leia mais).

Estiveram na reunião da bancada feminina as deputadas Moema Gramacho (BA), vice-líder do partido, Benedita da Silva (RJ), Erika Kokay (DF) e Luizianne Lins (CE). Todas assinaram a moção, prontamente. O documento foi levado à Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados, e também será levado ao plenário, a fim de serem colhidas mais assinaturas pela bancada feminina da casa. A entrega do documento à corregedoria do Ministério Público está prevista para a próxima quarta-feira (9), às 14h30.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: