Base aliada e oposição discordam de plebiscito

Mesmo estando em lados opostos no que diz respeito ao governo da presidente Dilma Rousseff (PT), os deputados federais Augusto Coutinho (DEM-PE) e Sílvio Costa (PTB-PE) concordam em um ponto: a proposta do governo para a realização de um plebiscito para discutir a reforma política é um erro; a crítica mais dura partiu do aliado petebista ao afirmar projeto de reforma política apresentado pela presidente Dilma Rousseff (PT) teve como finalidade “desviar a conversa” em meio a onda de protestos que varre o país e da queda dos indicadores de popularidade do governo

Base aliada e oposição discordam de plebiscito
Base aliada e oposição discordam de plebiscito

PE247 – Mesmo estando em lados opostos no que diz respeito ao governo da presidente Dilma Rousseff (PT), os deputados federais Augusto Coutinho (DEM-PE) e Sílvio Costa (PTB-PE) discordaram, em entrevista à Rádio Folha, da proposta do plebiscito, que tem como objetivo dar o primeiro passo para a realização de uma reforma política no país. Enquanto que para o democrata a proposta não deve entrar em vigência no próximo ano, o petebista afirma que Dilma “fez política”. Neste último caso, trata-se de mais um indicativo de que as críticas à petista também estão partindo da base aliada, o que aumenta a necessidade de rever as articulações políticas do atual governo para não colocar em risco a reeleição da chefe do Executivo federal em 2014.

Na avaliação de Augusto Coutinho, a presidente Dilma apresentou a proposta não por boas intenções, mas sim porque ficou perturbada com a onde de protestos que tomaram conta das ruas. “Primeiro, veio com a saída da constituinte específica, um erro grave. Depois, ela veio com a questão do plebiscito, que eu acho que é uma questão equivocada para se implementar em 2014”, disse. “É um assunto que é importante discutir muito, mas não se pode fazer de uma forma equivocada em 30 dias para fazer um plebiscito e se colocar para votar para a eleição de 2014. Pode sair muito pior do que está hoje”, declarou.

Por sua vez, o deputado Sílvio Costa afirmou que não há necessidade de se fazer uma reforma política no momento. “Nós precisamos reformar parte da classe política”, avaliou. De acordo com o parlamentar, as reformas mais importantes são as da Previdência e trabalhista.

O petebista foi mais fundo nas críticas à presidente Dilma ao dizer que o projeto de reforma política apresentado por ela teve como finalidade “desviar a conversa”. Ou seja, segundo o congressista, a chefe do Executivo federal quis amenizar a avalanche de protestos que ainda ocorrem no país, em meio à queda de 27 pontos percentuais na aprovação do seu governo, conforme pesquisa do Datafolha, divulgada no último dia 29.

“Ela sabia que o Congresso jamais iria aprovar um plebiscito. Plebiscito não passa. Eu acho que ela fez política”, disparou Sílvio Costa. Conforme o deputado, cada parlamentar do Congresso Nacional tem o seu próprio modo de fazer reforma e o plebiscito não está dentre as principais reivindicações da sociedade. “A agenda das pessoas é outra, é mais educação, mais saúde, mais emprego, mais segurança, não é a reforma política. Dilma fez política”, acrescentou. O congressista , ainda, que a presidente precisa ter um articulação mais eficiente juntos aos seus aliados.

 

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247