BB saca vice Ricardo Oliveira em nome da paz

Reunião extraordinária do conselho do Banco do Brasil, ontem à noite, determina saída do vice-presidente da área de Governo, Ricardo Oliveira; manobra busca colocá-lo em subsidiária, mas vazamento de dados sigilosos de ex-vice Allan Toledo pode torná-lo personagem de inquérito policial; valerá a pena salvá-lo?; ex-senador Cesar Borges pronto para assumir

BB saca vice Ricardo Oliveira em nome da paz
BB saca vice Ricardo Oliveira em nome da paz (Foto: Divulgação)

247 – O vice-presidente da área de Governo do Banco do Brasil, Ricardo Oliveira, teve seu nome e seu cargo colocados no centro de uma reunião extraordinária do conselho do Banco do Brasil, na noite da quarta-feira 10, em Brasília, e dela saiu como sacado de suas funções. Decidiu-se que ele, visto como principal motivador de uma renhida luta interna na instituição, que resultou na demissão, em janeiro, do vice-presidente da área internacional Allan Toledo, deveria sair em nome do reestabelecimento da paz. Toledo teve seu sigilo bancário quebrado e divulgado pela mídia.

Oliveira igualmente estaria identificado com o acirramento de ânimos entre o BB e um de seus principais acionistas, o fundo de pensão Previ, dos funcionários da instituição, que culminou numa profunda animosidade entre os presidente do banco, Aldemir Bendine, e da própria Previ, Ricardo Flores. Este, pela chamada lei das compensações políticas, também estaria com seu cargo encomendado.

A assessoria de imprensa do Banco do Brasil não confirmava e, igualmente, não desmentia, até 15h30, o afastamento de Oliveira. O mercado, porém, àquela altura, já dava como certa a demissão. Durante a manhã e à tarde tentou-se internamente, e com o apoio de consultas a esferas decisivas de governo, encontrar uma saída honrosa para o vice-presidente. Foi cogitada a ida dele para alguma empresa subsidiária do banco, mas houve, em contrapartida, manifestação do receio de que, também noutra função, Oliveira poderia continuar sendo um problema para o BB e para o governo Dilma. O Gordo, como é chamado dentro da instituição, ainda pode ser alvo de um inquérito criminal em torno da quebra de sigilo do ex-vice Toledo, que ainda examina com seus advogados como deverá agir frente ao caso. Colocado sob suspeita de ter recebido ilegalmente R$ 1 milhão em sua conta corrente, Toledo provou que o dinheiro tinha como fonte uma tia adoentada que vendera uma casa em São Paulo. Ele foi absolvido pelo conselho de ética da Presidência da República.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247