'Benefícios devem obedecer à capacidade do Estado'

Governador Marcelo Miranda (PMDB) lembrou nesta terça-feira, 31, durante o lançamento da 15ª edição da Agrotins, que nunca faltou com os servidores públicos, que classificou como "essenciais"; Marcelo frisou, entretanto, que as progressões, promoções e benefícios, reivindicados pelos servidores, precisam atender a capacidade financeira do estado; "O diálogo sempre esteve aberto. Estamos fazendo tudo como manda a lei e observando a capacidade orçamentária do Estado. Estamos formando um novo Tocantins, e eu tenho certeza que tudo será resolvido dentro do respeito e da civilidade", afirmou; governo enfrenta greves na Polícia Civil e na Saúde e ameaças do Quadro Geral e da Educação

Governador Marcelo Miranda (PMDB) lembrou nesta terça-feira, 31, durante o lançamento da 15ª edição da Agrotins, que nunca faltou com os servidores públicos, que classificou como "essenciais"; Marcelo frisou, entretanto, que as progressões, promoções e benefícios, reivindicados pelos servidores, precisam atender a capacidade financeira do estado; "O diálogo sempre esteve aberto. Estamos fazendo tudo como manda a lei e observando a capacidade orçamentária do Estado. Estamos formando um novo Tocantins, e eu tenho certeza que tudo será resolvido dentro do respeito e da civilidade", afirmou; governo enfrenta greves na Polícia Civil e na Saúde e ameaças do Quadro Geral e da Educação
Governador Marcelo Miranda (PMDB) lembrou nesta terça-feira, 31, durante o lançamento da 15ª edição da Agrotins, que nunca faltou com os servidores públicos, que classificou como "essenciais"; Marcelo frisou, entretanto, que as progressões, promoções e benefícios, reivindicados pelos servidores, precisam atender a capacidade financeira do estado; "O diálogo sempre esteve aberto. Estamos fazendo tudo como manda a lei e observando a capacidade orçamentária do Estado. Estamos formando um novo Tocantins, e eu tenho certeza que tudo será resolvido dentro do respeito e da civilidade", afirmou; governo enfrenta greves na Polícia Civil e na Saúde e ameaças do Quadro Geral e da Educação (Foto: Aquiles Lins)

Tocantins 247 - Em discurso durante o lançamento da 15ª edição da Agrotins, nesta terça-feira, 31, no Palácio Araguaia, o governador Marcelo Miranda (PMDB) comentou as greves e paralisações que atingem as categorias da Polícia Civil e da Saúde. 

O governador se referiu aos servidores como "essencial" em seu governo e enfatizou que durante os sete anos em que já foi governador do Tocantins, nunca desrespeitou o funcionalismo público estadual.

"Vivemos um momento de muita cautela. São horas e horas de trabalho, para encontrar as soluções dos problemas que estamos enfrentando. Trabalho muito, mas durmo com a consciência tranquila, pois todos sabem que, em sete anos que já governei esse Estado, nunca desrespeitei e nem faltei com o servidor público, pois sei da sua importância para o desenvolvimento desse Estado."

Marcelo Miranda reiterou a disposição do seu governo em dialogar com todas as categorias que ora reivindicam melhorias. Mas deixou claro que o governo do Estado precisa obedecer os limites impostos pela legislação. "O diálogo sempre esteve aberto. Estamos fazendo tudo como manda a lei e observando a capacidade orçamentária do Estado. Todos nós devemos assumir esse compromisso. Estamos formando um novo Tocantins, e eu tenho certeza que tudo será resolvido dentro do respeito e da civilidade", afirmou. 

Para o governador, todos os tocantinenses, em especial os seus representantes políticos – sejam estes da esfera federal, estadual ou municipal – devem assumir o compromisso com as mudanças que o Estado já começou a realizar nos primeiros noventa dias de seu governo. Ele frisou a observância e "obediência às leis", principalmente no atual momento que vive o Tocantins.

O governador do PMDB também mencionou a importância da ministra da Agricultura, Kátia Abreu (PMDB), para estabelecer parcerias com o Tocantins, bem como a parceria com os prefeitos. Para o governador, o compromisso de realizar as mudanças que o Tocantins precisa, passa, necessariamente, pela união de governo federal, estado, municípios, além da Assembleia Legislativa e os órgãos de controle. (Com informações da Assegov)

Leia também: Marcelo enfrenta a "Guerra das Progressões"

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247