Bilionários só veem lucros na carnificina do UFC

Homem mais rico do Brasil, Eike Batista torce por muito sangue, e bilheteria gorda, neste sbado, no evento de lutas em que vale tudo, no Rio; Nizan Guanaes, com a sua XYZ, j administra a carreira de um lutador e busca crescer em meio barbrie

Bilionários só veem lucros na carnificina do UFC
Bilionários só veem lucros na carnificina do UFC (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Marco Damiani _ 247 – Para se tornarem ainda mais ricos e famosos, decididamente eles não precisavam disso. Ou faz mesmo diferença para empresários como Eike Batista e Nizan Guanaes o dinheiro que eles poderão vir a ganhar em meio a toda selvageria típica do ‘esporte’ que, antes chamado de vale tudo, ganhou o epíteto de Artes Marciais Mistas e o verniz de uma associação globalizada chamada UFC? Faz bem a imagem de Batista e Guanaes promover uma luta em que quem está por cima pode espancar o adversário debaixo, indefeso, à exaustão, sem freios e limitações? No qual chutes em todos planos são considerados golpes lícitos e a sangria desatada é o maior atrativo?

Sim, faz bem ou, ao menos, juntar-se ao que muitos vêem como versão século 21 do que se passava no Coliseu, na Roma a.C, não desperta motivos para qualquer tipo de preocupação entre eles. Eike, afinal, é o promoter número um do, digamos, show marcado para a noite deste sábado, no Rio, do UFC, quando, entre outras lutas, o brasileiro José Aldo colocará seu título de peso pena em jogo contra o americano Chad Mendes. E Nizan, por meio da XYZ Live, empresa enfiada num universo que vai do desfile de moda ao lobby de relacionamentos empresariais, segue no vácuo ao administrar a carreira do lutador Vitor Belfort, para quem já atraiu patrocínios como o do banco BMG.

Ambos, Batista e Guanaes estiveram juntos na primeira apresentação do circo de horrores do UFC no Brasil, no ano passado. Gostaram tanto do que viram, que passaram a, cada um a seu modo, buscar um naco naquela arena de lucros. Daquela feita, em agosto, a capacidade total de 15 mil ingressos havia sido comprada pelo público em apenas 74 minutos. Uma receita fabulosa igualmente foi feita a partir da venda do sinal para a televisão, por R$ 40 o ponto. No Brasil, o canal fechado que pode transmitir as lutas de UFC tem cerca de 200 mil assinantes. Com 300 lutadores filiados, a UFC tem nos brasileiros seu segundo maior contingente de lutadores, inferior apenas ao de americanos. Desde o final do ano passado, todos os direitos de exploração da UFC no Brasil pertencem a uma empresa de Eike, a IMX.

Para noite deste sábado, quando ainda restam poucas cadeiras, ao preço de R$ 1 mil cada, para serem vendidas na arena HSBC, no Rio, Eike e Nizan mais uma vez devem estar na plateia. Para eles, quanto mais sangue jorrar, melhor.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email