Campos pode ir contra Dilma num 2º turno

Presidenciável, governador de Pernambuco pode não apoiar a presidente Dilma Rousseff (PT) em um possível segundo turno na eleição 2014; Eduardo Campos (PSB) estaria irritado com a possibilidade de o Partido dos Trabalhadores lhe "jogar para escanteio"; "Esse pessoal parece ter esquecido que a eleição tem dois turnos", teria dito uma fonte do PSB

www.brasil247.com - Campos pode ir contra Dilma num 2º turno
Campos pode ir contra Dilma num 2º turno (Foto: Roberto Stuckert Filho/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News

PE247 – Candidato virtual à Presidência da República, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), pode não apoiar a presidente Dilma Rousseff (PT) em um possível segundo turno na eleição presidencial 2014. Isso porque o gestor pernambucano estaria ficando irritado com a possibilidade de o PT lhe "jogar para escanteio" caso ele decida disputar o pleito contra a chefe do Executivo federal.

Uma fonte do PSB ouvida pelo blogueiro Josias de Souza expôs indignação diante de uma possível retaliação do PT. "Esse pessoal parece ter esquecido que a eleição tem dois turnos", declarou, em reserva, ao Blog do Josias. Segundo ele, a tentativa de brecar os planos de Campos por parte do PT aumentará a vontade o governador em apoiar o senador Aécio Neves (PSDB-MG) no segundo turno.

De fato, integrantes da legenda socialista apostam em uma eleição de dois turnos, uma vez que as incertezas sobre o crescimento da economia diminuem o potencial da presidente Dilma no pleito 2014, mesmo com a popularidade da petista em alta.

Irritação

PUBLICIDADE

Campos estaria "irritado" com o fato de o PT negociar com membros do PSB para os mesmos não apoiem a candidatura do gestor ao Palácio do Planalto. De acordo com os pessebistas que apoiam o governador, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, e o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, são os principais "comandantes" dessa negociação. Curiosamente, matéria da Folha de S. Paulo, ambos disseram na última terça-feira (28) que o PSB faz alianças "ecumênicas" pelo país, sendo, por exemplo, aliado do PSDB em alguns estados.

Até mesmo o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, condenado a dez anos de prisão no mensalão, também estaria tentando convencer o governador do Amapá, Camilo Capibaribe (PSB), a apoiar a reeleição da presidente Dilma. Por sua vez, o governador Eduardo Campos evitou falar sobre eleição presidencial e negou que esteja irritado. "É difícil me ver irritado. Não é uma coisa singela. Não me lembro quando eu me irritei", declarou nesta sexta-feira (31) em entrevista à Imprensa.

PUBLICIDADE

O fato é que, devido à popularidade do PT, se o governador marchar com o PSDB em um possível segundo turno, corre o risco de ficar sem o apoio dos petistas em 2018 e a subida de Lula no palanque do PSB será fundamental para alavancar a candidatura de Campos a presidente. Resta saber se o gestor vai preferir apostar no apoio do Partido dos Trabalhadores ou em suas próprias articulações políticas a fim de ganhar um maior tempo de guia eleitoral.

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email