'Candidatura de Meirelles é reconhecimento do afastamento do MDB da sociedade'

Por meio de um artigo, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) criticou o fato do partido confirmar, na convenção nacional marcada para esta quinta-feira (2), a indicação de Henrique Meirelles como candidato à Presidência; para ele, "a proposta de candidatura de Henrique Meirelles é o reconhecimento de que o MDB, em algum momento do governo Michel Temer, se afastou de suas bases, deixando de lado sua relevante atuação em momentos como a redemocratização, a estabilização da economia, a defesa dos trabalhadores e brasileiros mais humildes"

'Candidatura de Meirelles é reconhecimento do afastamento do MDB da sociedade'
'Candidatura de Meirelles é reconhecimento do afastamento do MDB da sociedade'

Alagoas 247 - Em um artigo, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) criticou o fato da convenção nacional da legenda, que acontece nesta quinta-feira (2), confirmar a indicação do ex-ministro Henrique Meirelles como candidato à Presidência da República nas eleições de outubro. Para ele, "a proposta de candidatura de Henrique Meirelles é o reconhecimento de que o MDB, em algum momento do governo Michel Temer, se afastou de suas bases, deixando de lado sua relevante atuação em momentos como a redemocratização, a estabilização da economia, a defesa dos trabalhadores e brasileiros mais humildes". 

No texto, Calheiros destaca que "o Brasil defendido por Henrique Meirelles para justificar sua candidatura não se sustenta na vida real. Na verdade, o país vive o declínio do seu Produto Interno Bruto (PIB), com constantes e recorrentes revisões de metas para baixo, enquanto a expectativa de inflação é cada vez mais elevada".

"Meirelles tem biografia para ser presidente do Banco de Boston, da empresa JBS, ou do Banco Central, se for para seguir a lógica do sistema do financeiro e não do mercado que trabalha e produz. Mas ele não tem biografia para postular a presidência da República: cargo mais importante da nação, que deve ser destinado pelo partido aos seus militantes, aos seus quadros originários. Jamais a alguém de fora, filiado de última hora", completa. 

Leia a íntegra. 

Não vamos chamar o Meirelles!

Renan Calheiros

O MDB decide hoje se terá ou não candidato próprio à presidência da República. O partido que sempre teve papel fundamental nos momentos mais importantes da história do Brasil, tem a oportunidade de escolher seguir grande e plural, em vez de abraçar uma candidatura inviável, que nos rebaixará, dificultando a eleição de governadores, senadores, deputados federais e estaduais.

A proposta de candidatura de Henrique Meirelles é o reconhecimento de que o MDB, em algum momento do governo Michel Temer, se afastou de suas bases, deixando de lado sua relevante atuação em momentos como a redemocratização, a estabilização da economia, a defesa dos trabalhadores e brasileiros mais humildes.

O Brasil tem atualmente mais de 13 milhões de desempregados, atingiu um déficit monumental das contas públicas e sofre com os cortes brutais de investimentos públicos e privados nas diversas áreas, especialmente na Educação, Ciência e Tecnologia, em programas sociais como o Bolsa-Família. O Nordeste sente os impactos desse massacre.

O Brasil defendido por Henrique Meirelles para justificar sua candidatura não se sustenta na vida real. Na verdade, o país vive o declínio do seu Produto Interno Bruto (PIB), com constantes e recorrentes revisões de metas para baixo, enquanto a expectativa de inflação é cada vez mais elevada.

Depois da eleição, precisaremos fazer um pacto econômico e social, estabelecer diretrizes e metas, retomar os investimentos, melhorar a condição de vida das pessoas, acabar com privilégios e injustiças, votar projetos paralisados como o fim dos supersalários e a Lei de Abuso de Autoridade. Precisaremos reencontrar o caminho do crescimento e da estabilidade, abraçando causas que representem a vontade e os interesses da maioria dos brasileiros.

Sonhamos com um país melhor, capaz de se reinventar. Para isso, devemos respeitar nossa história e votar não a uma proposta de candidatura que não tem a mínima competividade, não ultrapassa 1% das intenções de votos, apequena o partido e atrai para os estados a rejeição universal da população ao governo Michel Temer.

Meirelles tem biografia para ser presidente do Banco de Boston, da empresa JBS, ou do Banco Central, se for para seguir a lógica do sistema do financeiro e não do mercado que trabalha e produz. Mas ele não tem biografia para postular a presidência da República: cargo mais importante da nação, que deve ser destinado pelo partido aos seus militantes, aos seus quadros originários. Jamais a alguém de fora, filiado de última hora.

O momento em que o partido mais cresceu foi em 2006, quando tentaram impor um candidato presidencial que diminuiria o PMDB. A convenção, soberanamente, não homologou a candidatura própria e os diretórios estaduais puderam fazer as alianças que mais se adequavam às suas realidades regionais. Com isso, as bancadas cresceram, nossa legenda se fortaleceu e o Brasil ganhou muito com isso.

Torço para que a história que escreveremos hoje repita o enredo daquele ano. Para isso, basta a reflexão dos convencionais sobre o futuro do MDB; sobre a contribuição que pretendemos dar ao Brasil a partir do próximo ano.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247