Casos de dopping mancham o ciclismo

Tribunal vai julgar o espanhol Alberto Contador. Ex-ciclista Tyler Hammilton bota lenha na fogueira: Vi Lance Armstrong injetar mais de uma vez

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com informações do Marca – O Tribunal Arbitral Esportivo (TAS) anunciou que avaliará de 6 a 8 de junho, os recursos apresentados pela União Ciclista Internacional (UCI) e pela Agência Mundial Antidoping (AMA) contra a absolvição do ciclista espanhol Alberto Contador, cujo teste deu positivo acusando a presença de clenbuterol em seu exame, durante o último Tour de France. Se absolvido, Contador poderá defender seu título no torneio francês, que começa em 2 de julho.

O Comitê de Competição da Federação Espanhola de Ciclismo absolveu o espanhol em 15 de fevereiro, quando o teste realizado em 21 de julho de 2010, durante o descanso do Tour de France, revelou a presença de clembuterol, porque levou em consideração as alegações do ciclista que atribuiu a substância à ingestão de carne contaminada.

A partir desse dia, Contador continuou a competir e agora lidera a Volta da Itália. Se for considerado culpado pelo Tribunal, o espanhol pode enfrentar uma suspensão de dois anos, além de ser despojado de sua terceira viagem e perder todos os seus ganhos desde fevereiro, quando a UCI, influenciada pela Federação Espanhola, decidiu pela suspensão provisória.

Quem acaba de entrar na polêmica é Tyler Hamilton, ex-ciclista americano que cumpre uma suspensão por dopping de oito anos, mas agora está aposentado, afirma que viu Lance Armstrong injetando “mais de uma vez'.

Em entrevista ao programa 60 Minutes, da CBS, Hamilton acusou o sete vezes campeão do Tour de France, que foi seu companheiro de equipe de “fazer o que fazia todo mundo”. “Eu vi EPO em sua geladeira, vi ele injetar mais de uma vez, como todos nós. Como já fiz muitas e muitas vezes”, declarou. “Armstrong tomava o que tomávamos todos, a maioria do pelotão. Havia EPO, testosterona, transfusão de sangue..”, relatou.

Hamilton se referiu especificamente às práticas de dopping nos Tours de 1999, 2000 e 2001. Armstrong venceu a prova francesa ininterruptamente entre 1999 e 2005. As declarações reforçam outras ditas no mesmo sentido por Floyd Landis, outro companheiro da equipe de Armstrong.

Sete vezes campeão, Armstrong nunca foi pego em um exame de controle, mas está sendo investigado pelas autoridades federais dos Estados Unidos que estão tentando descobrir se o ex-ciclista esteve realmente envolvido em programas sistemáticos de dopping. Em seu Twitter, ele afirma: “20 anos de carreira, 500 exames em todo o mundo, dentro e fora da competição. Nunca houve um resultado positivo. Nada a dizer”.

A equipe de advogados de Armstrong acusa Hamilton de estar preparando a publicação de um livro, por isso suas declarações seriam boas armas parar atrair um contrato editorial.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email