Chantagem com Veja faz Bastos deixar Cachoeira

Ex-ministro anuncia que não vai mais advogar para contraventor; decisão foi motivada por tentativa de coação feita por Andressa Mendonça sobre juiz federal; de R$ 15 milhões combinados para a defesa, Marcio Thomaz Bastos rebeceu R$ 5 milhões; escritório adianta que dinheiro não vai ser devolvido; é caixa!

Chantagem com Veja faz Bastos deixar Cachoeira
Chantagem com Veja faz Bastos deixar Cachoeira (Foto: Edição/247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A toalha está no tablado. O advogado e ex-ministro da Justiça Marcio Thomaz Bastos anunciou nesta terça-feira 31 que abandonou a defesa de seu até então cliente Carlinhos Cachoeira. A decisão foi motivada pela detenção, ontem, em Goiânia, da mulher de Cachoeira, Andressa Mendonça, acusada de tentar chantagear o juiz federal Alderico Rocha Santos. Na versão do juiz, Andressa afirmou que o jornalista Policarpo Jr., diretor de redação da revista Veja em Brasília, havia produzido um dossiê com notícias negativas sobre ele, a pedido de Cachoeira. As informações poderiam não ser publicadas, também pode decisão de Cachoeira, se ele concedesse um álvara de soltura ao marido dela. O assédio foi denunciado à Polícia Federal, que realizou busca e apreensão na casa de Andressa e a deteve para esclarecimentos. Libertada, ela terá de pagar R$ 100 mil como fiança e foi proibida de visitar o marido no presídio da Papuda.

Sob a defesa de Thomaz Bastos, Cachoeira foi orientado a não se pronunciar diante da CPI montada para esclarecer o caso. O contraventor também foi instruído a ser evasivo na audiência diante da Justiça de Goiás, na semana passada. O ex-ministro impetrou diferentes pedidos de habeas corpus para Cachoeira, mas não teve sucesso em nenhum. Informação não desmentida deu conta da cobrança de R$ 15 milhões em honorários advocatícios, a serem pagos em três parcelas. A primeira, de entrada, no valor de R$ 15 milhões, foi paga, caso contrário o advogado não teria comparecido com o cliente na CPI do Cachoeira.

"A saída do caso foi amigável. Nosso acordo era defender o empresário Carlinhos Cachoeira apenas até a audiência da semana passada. Fui uma saída natural", disse a advogada Dora Cavalanti, da equipe de Thomaz Bastos, ao jornal Folha de S. Paulo, negando relação direta com o caso Andressa. "Durante o processo surgem atritos naturais entre o cliente e seus defensores", completou. Segundo advogados da equipe de Thomaz Bastos, não há previsão de pagamento por ressarcimento ao réu.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247