Collor defende profissionais de enfermagem

Em pronunciamento senador Fernando Collor (PTB-AL) lembra o débito que o Congresso Nacional tem com os profissionais de enfermagem. Collor cobrou a tramitação dos projetos que ratam da carga de trabalho de 30 horas e o piso nacional da categoria. Ele lamentou, ainda, a situação caótica que os alagoanos estão enfrentando nos últimos anos na área da saúde pública

Em pronunciamento senador Fernando Collor (PTB-AL) lembra o débito que o Congresso Nacional tem com os profissionais de enfermagem. Collor cobrou a tramitação dos projetos que ratam da carga de trabalho de 30 horas e o piso nacional da categoria. Ele lamentou, ainda, a situação caótica que os alagoanos estão enfrentando nos últimos anos na área da saúde pública
Em pronunciamento senador Fernando Collor (PTB-AL) lembra o débito que o Congresso Nacional tem com os profissionais de enfermagem. Collor cobrou a tramitação dos projetos que ratam da carga de trabalho de 30 horas e o piso nacional da categoria. Ele lamentou, ainda, a situação caótica que os alagoanos estão enfrentando nos últimos anos na área da saúde pública (Foto: Voney Malta)

Alagoas247 - O senador Fernando Collor de Mello (PTB) lembrou, durante pronunciamento na tarde desta quarta-feira (16), na tribuna do Senado Federal, o débito que o Congresso Nacional tem com os profissionais da enfermagem de todo o Brasil, especialmente para aqueles que trabalham no estado de Alagoas. O parlamentar cobra do Congresso a tramitação de dois projetos de leis de número 2295/2000 e 4924/2009, que tratam sobre a carga de trabalho de 30 horas e o piso nacional para toda a categoria, respectivamente.

No pronunciamento, Collor lamentou, mais uma vez, a situação caótica que os alagoanos estão enfrentando nos últimos anos na área da saúde pública. O senador lembrou que, apesar das diversas mobilizações e pedidos de melhores condições de trabalho, o governo do estado vem ignorando sistematicamente o pleito da categoria, que reúne apenas no estado mais de 11 mil profissionais, entre enfermeiros e técnicos de enfermagem.

"No que se refere a esses projetos que tramitam aqui no Congresso, e pelos quais os profissionais da Enfermagem lutam sistematicamente, de fato podemos constatar o débito do Legislativo em relação às reivindicações dessas categorias. Com a tramitação dos projetos de lei, podemos atender às mudanças e aos pleitos almejados, que são mais do que justas frente a realidade enfrentada por eles", expôs Collor.

Em recente encontro com os representantes dos profissionais, Collor informou que ouviu que eles estão há anos sofrendo com a ausência de iniciativas do governo no âmbito estadual. Eles pedem que o ganho aconteça acima da inflação, além da implantação de um Plano de Cargo e Carreira para todos os servidores da rede estadual de saúde.

De acordo com o pronunciamento do senador, o problema da saúde pública em Alagoas vai desde a precariedade dos hospitais e centros de saúde até a deficiência na política de recursos humanos. "São necessidades que fazem com que os profissionais desta área enfrentem as piores adversidades no desenvolvimento de suas atividades", ressaltou Collor.

O Projeto de Lei que regulamenta a jornada de trabalho está aguardando inclusão na pauta do Plenário da Câmara dos Deputados desde 2009, sem previsão para votação. Já a aprovação da matéria que dispõe sobre Piso Nacional do Enfermeiro, do Técnico e do Auxiliar em Enfermagem depende da deliberação das Comissões de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça.

"Diante de tudo que foi colocado, entendo ser também nosso, desta Casa, o compromisso com os profissionais da Enfermagem de Alagoas, no sentido de apoiar incondicionalmente os seus pleitos e trabalhar pela celeridade na aprovação desses dois importantes projetos de lei. Para com isso garantir a regulamentação desses dois instrumentos vitais para o bom exercício profissional dos enfermeiros, técnicos e auxiliares em Enfermagem", concluiu Collor.

Com gazetaweb.com e assessoria

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247