Comerciantes do Pelô devem R$ 10 mi ao Ipac

Montante acumulado ao longo dos últimos 20 anos, formou-se devido ao não pagamento da taxa mensal de concessão pública para ocupação dos imóveis que pertencem ao Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac)

Comerciantes do Pelô devem R$ 10 mi ao Ipac
Comerciantes do Pelô devem R$ 10 mi ao Ipac (Foto: Divulgação)

Bahia 247

Uma dívida de aproximadamente R$ 10 milhões divide o Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), comerciantes e moradores de 147 dos 235 imóveis do Centro Histórico de propriedade do órgão.

O montante, acumulado ao longo dos últimos 20 anos, formou-se devido ao não pagamento da taxa mensal de concessão pública para ocupação dos imóveis. Como a concessão é considerada uma "locação social", o Ipac aplica o valor de R$ 8 por metro quadrado, menos da metade do que o mercado imobiliário cobra.

"Após vencer todas as formas administrativas de fazer a cobrança, acionamos a Justiça. O Estado tem ganhado as causas, mas a morosidade do próprio processo e os recursos fazem com que nada se resolva", explicou a diretora administrativa do instituto, Vicenza Berbert ao jornal Correio.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247