Comitê repudia decisão que permite desfile de grupo fascista no Carnaval de SP

O Comitê Paulista pela Memória, Verdade e Justiça, diz repudiar veementemente a decisão da juíza Daniela Pazzeto Meneghine Conceição, que permite o desfile neste Carnaval de um grupo fascista, auto denominado Porão do Dops; o grupo faz apologia à tortura e enaltece reconhecidos torturadores, que atuaram na ditadura militar; segundo o comitê, a decisão judicial "contribui para a agressão ao estado democrático de direito, possibilitando a disseminação de ódio nas ruas da capital paulista"

O Comitê Paulista pela Memória, Verdade e Justiça, diz repudiar veementemente a decisão da juíza Daniela Pazzeto Meneghine Conceição, que permite o desfile neste Carnaval de um grupo fascista, auto denominado Porão do Dops; o grupo faz apologia à tortura e enaltece reconhecidos torturadores, que atuaram na ditadura militar; segundo o comitê, a decisão judicial "contribui para a agressão ao estado democrático de direito, possibilitando a disseminação de ódio nas ruas da capital paulista"
O Comitê Paulista pela Memória, Verdade e Justiça, diz repudiar veementemente a decisão da juíza Daniela Pazzeto Meneghine Conceição, que permite o desfile neste Carnaval de um grupo fascista, auto denominado Porão do Dops; o grupo faz apologia à tortura e enaltece reconhecidos torturadores, que atuaram na ditadura militar; segundo o comitê, a decisão judicial "contribui para a agressão ao estado democrático de direito, possibilitando a disseminação de ódio nas ruas da capital paulista" (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP 247 - O Comitê Paulista pela Memória, Verdade e Justiça, que reúne ex-presos políticos e ativistas de direitos humanos, emitiu nota repudiando veementemente a decisão da juíza Daniela Pazzeto Meneghine Conceição, que permite o desfile neste Carnaval de um grupo fascista, auto denominado Porão do Dops. O grupo faz apologia à tortura e enaltece reconhecidos torturadores, que atuaram na ditadura militar.

"Consideramos que a decisão da juíza Daniela, além de desrespeitar a memória das vítimas que tombaram dentro das masmorras da ditadura e os ex-presos que sobreviveram às sevícias de torturadores, como o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra e o delegado Sérgio Paranhos Fleury, ídolos desse grupelho fascista, ainda contribui para a agressão ao estado democrático de direito, possibilitando a disseminação de ódio nas ruas da capital paulista", diz o texto.

De acordo com matéria publicada pelo Jornalistas Livres, o Bloco enaltece pessoas como o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra e o policial Sergio Paranhos Fleury. Os cartazes de divulgação do Bloco Carnavalesco trazem imagens dos dois torturadores. O nome "Porões do Dops" refere-se às câmaras de suplícios clandestinas, instaladas nos Departamentos de Ordem Política e Social (Dops), para onde eram levados adversários da Ditadura.

Segundo o comitê, "não bastasse tudo isso, a juíza em seu veredito, ao conceder a liminar que autoriza o desfile, ainda demonstrou ignorância ou má-fé". "Diz ela que as pessoas enaltecidas pelo bloco Porão do Dops 'sequer foram reconhecidas judicialmente como autores de crimes perpetrados durante o regime ditatorial'", acrescenta.

"Como pode a juíza Daniela desconhecer a decisão da Primeira Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, que confirmou, por unanimidade, a sentença de primeira instância, que reconheceu o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra como notório torturador?", questiona. "Com sua decisão, a magistrada revela, também, que se manteve alheia ao relatório da Comissão Nacional da Verdade, que investigou os crimes da ditadura e apontou tanto Ustra quanto Fleury, como reconhecidos torturadores de ativistas que lutaram contra a ditadura militar".

"Em tempos de condenação sem provas e indulgência a criminosos, o Comitê Paulista pela Memória, Verdade e Justiça reitera sua luta pela punição dos torturadores e sua posição de nenhuma concessão a apologistas da tortura e dos agentes de Estado que perpetraram violações aos direitos humanos", complementa. "Por tudo isso, nos somamos a todos aqueles que estão unidos para impedir esse desfile macabro, numa festa popular, que nasceu como resistência aos do andar de cima. Fora Porão do Dops!".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247