Consórcio privado deve administrar Eixo Anhanguera

Governo alega que a medida se faz necessária em razão das extensões do Eixo Anhanguera em setembro do ano passado, que fizeram com que a Metrobus tenha passado a operar mercados com passageiros concedidos a outras empresas, gerando sobreposição de linhas de serviço de transporte na Rede Metropolitana de Transporte Coletivo (RMTC); Metrobus deve ficar com até 50% de participação. “Esta operação deve começar em janeiro para que, em curto prazo, tenhamos significativas melhorias na maior linha de ônibus da capital, inclusive até suas extensão em Senador Canedo, Trindade e Goianira", afirmou ao Giro, o presidente da Goiás Parcerias, Cyro Miranda

Governo alega que a medida se faz necessária em razão das extensões do Eixo Anhanguera em setembro do ano passado, que fizeram com que a Metrobus tenha passado a operar mercados com passageiros concedidos a outras empresas, gerando sobreposição de linhas de serviço de transporte na Rede Metropolitana de Transporte Coletivo (RMTC); Metrobus deve ficar com até 50% de participação. “Esta operação deve começar em janeiro para que, em curto prazo, tenhamos significativas melhorias na maior linha de ônibus da capital, inclusive até suas extensão em Senador Canedo, Trindade e Goianira", afirmou ao Giro, o presidente da Goiás Parcerias, Cyro Miranda
Governo alega que a medida se faz necessária em razão das extensões do Eixo Anhanguera em setembro do ano passado, que fizeram com que a Metrobus tenha passado a operar mercados com passageiros concedidos a outras empresas, gerando sobreposição de linhas de serviço de transporte na Rede Metropolitana de Transporte Coletivo (RMTC); Metrobus deve ficar com até 50% de participação. “Esta operação deve começar em janeiro para que, em curto prazo, tenhamos significativas melhorias na maior linha de ônibus da capital, inclusive até suas extensão em Senador Canedo, Trindade e Goianira", afirmou ao Giro, o presidente da Goiás Parcerias, Cyro Miranda (Foto: Realle Palazzo-Martini)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - O Eixo Anhanguera deve ser administrado a partir de janeiro por consórcio privado, tendo a Metrobus como sócia, confirma a coluna Giro, do jornal O Popular.

De acordo com o projeto, a Metrobus poderá participar destes consórcios na condição de sócia majoritária. O Governo alega que a medida se faz necessária em razão das extensões do Eixo Anhanguera em setembro do ano passado, que fizeram com que a Metrobus tenha passado a operar mercados de passageiros concedidos a outras empresas, gerando sobreposição de linhas de serviço de transporte na Rede Metropolitana de Transporte Coletivo (RMTC).

O Giro crava que a Metrobus deve ficar com até 50% de participação. “Esta operação deve começar em janeiro para que, em curto prazo, tenhamos significativas melhorias na maior linha de ônibus da capital, inclusive até suas extensão em Senador Canedo, Trindade e Goianira. Goiás é o único Estado a ter estatal nesta área. Não faz mais sentido”, disse à coluna o presidente da Goiás Parcerias, Cyro Miranda .

A garantia do governo é que os preços das passagens serão mantidas. “É uma determinação do governador Marconi. Será bancado com as contrapartidas das empresas que recebem incentivos fiscais em Goiás”, enfatiza Cyro ao Giro.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247