Consultas da CPI serão vigiadas por câmeras

a bat carvena; documentos da Operao Monte Carlo, publicados por 247, s sero vistos debaixo de cmeras de segurana em sala monitorada; parlamentares podero levar papel, caneta e fazer anotaes; mas nada de fotos ou pendrives; oposio reclama falta de informaes; transparncia? um abrao...

Consultas da CPI serão vigiadas por câmeras
Consultas da CPI serão vigiadas por câmeras (Foto: Andre Borges/Folhapress)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A CPI do Cachoeira vai pingar informações a conta-gotas para os parlamentares que fazem parte dela. Esta é a decisão do presidente da comissão, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), para cumprir a determinação de sigilo dada pelo ministro Ricardo Levandovski, do Supremo Tribunal Federal. Rêgo já havia dito, ao receber o inquérito da Operação Monte Carlo, na segunda-feira 30, que os documentos seriam guardados numa “bat caverna”. O que não se sabia era o aparato montado para evitar vazamentos de informações. Com exclusividade, 247 publicou a manifestação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e mais sete volumes do inquérito da Polícia Federal que estava no STF (leia aqui). Toda a peça tem 15 volumes e cerca de 15 mil páginas.

Para evitar que a segunda parte do conteúdo da Operação Monte Carlo venha a público, o presidente da CPI montou um inédito aparato de segurança. Uma saleta com sistema de detecção de metais e monitorada por câmeras de tevê abertas 24 horas dia é o lugar onde está a documentação – e somente ali, sem qualquer retirada do todo ou de suas partes, poderão ser feitas as consultas dos parlamentares. Os membros da CPI poderão fazer anotações, mas não ser autorizados a tirar cópias de páginas, fazer fotos, vídeos ou baixar informações em pendrives. Os computadores que podem exibir o conteúdo digitalizado do inquérito tiveram suas entradas para esse dispositivo bloqueadas. Já há, é claro, políticos reclamando das dificuldades e limitações de acesso aos documentos. Eles afirmam que mal conseguem saber, até agora, qual o teor completo da investigação.

Abaixo, reportagem da Agência Brasil sobre o tema:

 

 

Marcos Chagas

Repórter da Agência Brasil

Brasília - Desde os trabalhos da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Correios, em 2005, nenhuma outra comissão investigativa do Congresso teve cuidado tão rigoroso com a preservação do sigilo de documentos encaminhados pela Justiça quanto a CPMI do Cachoeira. As medidas incluem acesso restrito aos integrantes da comissão, que serão monitorados e gravados nas consultas e não poderão portar celulares ou outros aparelhos que capturem imagem.

Os deputados e senadores integrantes da CPMI poderão consultar os inquéritos das operações Vegas e Monte Carlo, da Polícia Federal, já digitalizados, por meio de três terminais de computadores. O trabalho será realizado numa pequena sala com menos de 10 metros quadrados e os parlamentares não poderão estar acompanhados por assessores.

O presidente da CPMI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), destacou em ofício enviado à Subsecretaria de Apoio às Comissões Especiais e Parlamentares de Inquérito, encarregada da guarda dos documentos, que as medidas de segurança obedecem às orientações do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski. O ofício recomenda que "o exame das cópias enviadas fique restrito à CPMI, que deverá adotar rígidas providências para que seu conteúdo não seja indevidamente divulgado".

“O parlamentar vai chegar lá, se identificar, assinar um termo de compromisso e vai no computador. Ele vai ter disponível papel e caneta, mas não vai tirar nada de lá. Ele vai poder ver e ouvir, mas ele não pode tirar o material de lá que é segredo de Justiça”

Além disso, a Polícia do Senado e a Secretaria Especial de Informática (Prodasen) foram encarregadas por Vital do Rêgo de coordenarem a implantação das medidas.

Ao contrário do que aconteceu na comissão parlamentar de inquérito dos Correios, os parlamentares não poderão tirar cópias dos documentos resguardados pelo segredo de Justiça e que descreveriam o funcionamento e ramificações do suposto esquema de corrupção e exploração de jogos ilícitos comandado pelo empresário goiano Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Ficou decidido também que os integrantes da CPMI do Cachoeira serão gravados e monitorados enquanto estiverem na sala da Subsecretaria de Apoio às Comissões Especiais e Parlamentares de Inquérito na qual os documentos serão consultados.

O parlamentar terá à sua disposição, nessa sala, apenas canetas esferográficas e papel em branco para as anotações que considerar pertinentes. Ao mesmo tempo, por determinação do presidente da CPMI, senador Vital do Rêgo, os deputados e senadores terão que deixar aos cuidados dos servidores encarregados de proteger a sala aparelhos celulares ou qualquer outro equipamento que disponha de câmara fotográfica ou filmadora capaz de reproduzir imagens

Outra norma de segurança adotada foi o lacre de todas as entradas do tipo USB dos computadores. Essas entradas permitiriam a gravação dos documentos por meio eletrônico, conhecido como pen drive. Os terminais também estarão desconectados da internet.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247