Cresce o número de assassinatos em Alagoas

Pela primeira vez desde fevereiro de 2012, quando ocorreu a implantação do programa Brasil Mais Seguro, a quantidade de mortos ultrapassou o número de 200 em um único mês; em março, foram registrados 207 homicídios; os números foram apresentados em sessão na Assembleia Legislativa desta terça, levando deputados a cobrarem ações mais enérgicas por parte do governador Teotônio Vilela (PSDB); a secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, já admitiu que existem falhas na execução do programa, e disse que elas estão sendo corrigidas

Cresce o número de assassinatos em Alagoas
Cresce o número de assassinatos em Alagoas
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas 247 - O número de assassinatos registrados em Alagoas no mês de março deste ano é o maior desde fevereiro de 2012, quando o estado ainda não contava com ações do programa federal Brasil Mais Seguro. Conforme números apresentados na Assembleia Legislativa, na sessão ordinária desta terça-feira (2), ocorreram 207 homicídios durante o mês, o que levou os deputados a cobrar ações mais enérgicas do governo do estado.

No relatório emitido mensalmente pela Secretaria de Defesa Social ainda não constam os números do mês de março. A assessoria de comunicação da secretaria informou que tem até o dia 15 para publicar os dados. De acordo com o balanço publicado, aconteceram 196 assassinatos no mês de janeiro e 166 durante o mês de fevereiro. As estatísticas revelam que só no primeiro trimestre deste ano, foram mortos 569 pessoas.

Março foi o primeiro mês, desde a implantação do programa Brasil Mais Seguro, em 27 de junho do ano passado, no qual o número de assassinatos ultrapassou  200 em um único mês. Desde o início do programa, o estado vem encontrando dificuldades para reduzir o número de homicídios no estado.

A secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, admitiu à imprensa que existem falhas na execução do programa e que elas estão sendo corrigidas para que os números voltem a cair.

O melhor resultado obtido pelo governo aconteceu nos meses de julho (durante o início da implantação do programa federal) e em setembro. Nos meses de dezembro de 2012 e janeiro de 2013, houve crescimento do número de mortes, com leve redução em fevereiro e nova alta em março.

Homicídios em 2012

Janeiro: 188
Fevereiro: 222
Março: 203
Abril: 197
Maio: 185
Junho: 188
Julho: 162
Agosto: 163
Setembro: 162
Outubro: 172
Novembro: 154
Dezembro: 190

Homicídios em 2013

Janeiro: 196
Fevereiro: 166
Março: 207

ALE discute violência em Alagoas

Depois de anunciar o número de assassinatos relativos ao mês de março de 2013, o deputado Ronaldo Medeiros (PT) falou que o programa Brasil Mais Seguro não está cumprindo a meta de reduzir os homicídios e que ajustes são necessários.

O aumento da violência em Alagoas voltou a ser discutido no plenário da Assembleia Legislativa do Estado (ALE) durante a sessão desta terça-feira (2). Os parlamentares associaram o crescimento no número de homicídios à impunidade e cobraram ações por parte do governo do Estado.

"Em Maceió, os assassinatos ocorrem principalmente em bairros periféricos, como Benedito Bentes, Cidade Universitária, Vergel do Lago e Jacintinho. É preciso investir em esporte e lazer para os jovens", afirmou o parlamentar, ao cobrar políticas públicas por parte do governo do Estado.

Já o deputado João Beltrão (PRTB) citou o assassinato de um policial militar em Coruripe para criticar a falta de ação da polícia. "Todo mundo sabe quem matou, a polícia sabe quem matou e os criminosos estão escondidos no mangue e ninguém pega", disse Beltrão.

O deputado Ricardo Nezinho (PMDB) lamentou o assassinato do servidor público José Marcolino Júnior, ocorrido no final da manhã dessa segunda-feira (1), no estacionamento do Centro Administrativo de Arapiraca. "É impressionante a ousadia dos criminosos, que antes do meio-dia entraram no estacionamento da Prefeitura e balearam o José Marcolino", falou o parlamentar, que conhecia a vítima.

Com gazetweb.com

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email