Cultura em debate

Candidatos a prefeito de Salvador debateram gestão cultural na Academia de Letras da Bahia (ALB); Pelourinho e Centro Antigo dominaram a pauta de discussão

Cultura em debate
Cultura em debate (Foto: Divulgação)

Bahia 247

O candidato do PMDB à Prefeitura do Salvador, Mário Kertész, prometeu criar a Secretaria Municipal de Cultura, caso seja eleito. Segundo Kertész, em sua possível administração, o secretário de Cultura será o gestor também da Fundação Gregório de Mattos (FGM), que funcionará como braço operacional da nova pasta municipal. Por enquanto, a FGM se encarrega das raras ações culturais do município.

A promessa foi feita na noite desta quinta-feira (26), no debate entre os seis postulantes ao comando do Palácio Thomé de Souza promovido pela Academia de Letras da Bahia (ALB), que discutiu as propostas para a cultura em Salvador, em vários setores, como artes cênicas, arquitetura e urbanismo, música, literatura e preservação do patrimônio histórico. Participaram do debate os candidatos Mário Kertesz, Nelson Pelegrino (PT), ACM Neto (DEM), Bispo Márcio Marinho (PRB), Hamilton Assis (PSOL) e Rogério da Luz (PRTB).

O peemedebista afirmou que estava muito à vontade para discutir o tema porque, quando prefeito pela segunda vez, fez "muito" pela cultura. "Criei a Fundação Gregório de Mattos, a Casa do Benin, o Projeto Boca de Brasa, para levar projetos culturais aos bairros e trouxe uma equipe de intelectuais e artistas de primeira para trabalhar comigo, como Lelé [o arquiteto João Filgueiras], João Santana Filho [o Patinhas, atual marqueteiro do PT], Gilberto Gil, Antônio Risério, Roberto Pinho e Wally Salomão", afirmou o candidato peemedebista.

Ele assumiu ainda o compromisso de, já no segundo ano de sua administração, caso seja eleito, destinar 4% do orçamento do município para a Secretaria de Cultura.

Centro Histórico

O abandono do Centro Histórico de Salvador, sobretudo do Pelourinho, dominou a intervenção dos candidatos. Hamilton Assis se queixou do que considera "limpeza étnica no Pelourinho, que só será resgatado se voltar o sentido da comunidade, já que os moradores negros e pobres foram expulsos da área".

ACM Neto lembrou que seu avô, o ex-senador Antônio Carlos Magalhães, revitalizou o Pelourinho nos anos 90 do século passado e acusou o governo do petista Jaques Wagner de ter relegado o Centro Histórico ao abandono. Ele afirmou que, quando senador, ACM Júnior (seu pai) destinou para a área uma emenda de R$ 25 milhões "que o Estado não usou por falta de projetos".

Nelson Pelegrino, por sua vez, disse que a prefeitura, sozinha, não poderá resolver o problema do Pelourinho e que, para isso, será necessária uma ação articulada entre os poderes municipal, estadual e federal.

Rogério da Luz prometeu levar música e artesanato para o Centro Histórico.

O presidente da ALB, Aramis Ribeiro Costa, afirmou que "não é possível que a terceira capital do país permaneça neste estado de cultura que temos visto nos últimos anos. Ele afirmou ainda que o tema do debate "é um assunto de muita seriedade, não apenas para a formação cultural de um povo, mas também para o turismo cultural, porque muitas cidades do mundo vivem da cultural".

O debate na sede da ALB, no Palacete Góes Calmon, em Nazaré, foi coordenado pelo poeta Luís Antônio Cajazeira Ramos que, no próximo dia 2, toma posse na Casa.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247