Declaração de Alckmin sobre Pacote do Veneno é ‘leviana’, diz pesquisadora

"Acho muito perigoso uma pessoa pública fazer uma declaração dessas porque é uma declaração leviana", afirmou a pesquisadora do Departamento de Geografia da USP, Larissa Mies Bombardi. antes de deixar o governo, o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB), enviou o Pacote do Veneno para a Alesp; "Não é lei do veneno, é lei do remédio", disse ele

Declaração de Alckmin sobre Pacote do Veneno é ‘leviana’, diz pesquisadora
Declaração de Alckmin sobre Pacote do Veneno é ‘leviana’, diz pesquisadora (Foto: Cecília Bastos/Usp Imagem | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rede Brasil Atual - Para a pesquisadora do Departamento de Geografia da USP, Larissa Mies Bombardi, a declaração do candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, sobre o chamado Pacote do Veneno, é "leviana". Segundo o tucano, "não é lei do veneno, é lei do remédio". "Como os animais ficam doentes, as plantas também ficam doentes. Você precisa ter defensivos para defender a planta", disse, em evento promovido pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção, em Brasília, na segunda-feira (6).

"Vi com muito receio, acho muito perigoso uma pessoa pública fazer uma declaração dessas porque é uma declaração leviana", pontuou Larissa, em entrevista aos jornalistas Marilu Cabañas e Glauco Faria na Rádio Brasil Atual. "Acho que vale a pena começar pela etimologia da palavra 'remédio'. É uma palavra latina, e o centro, o núcleo dessa palavra (remedium), vem de medere, cuidar, e o sufixo re significa restaurar, restituir. Remedere vem de restaurar o cuidado, a saúde. Por que a declaração é leviana? Porque quando falamos de agrotóxicos não estamos falando necessariamente de restaurar o cuidado e a saúde, mesmo porque 62% dos agrotóxicos vendidos no Brasil são herbicidas."

A pesquisadora explica que os herbicidas não podem ser entendidos como "remédios". "O que são herbicidas? São substâncias químicas que matam as plantas, as chamadas, supostamente, ervas daninhas. Se falamos de herbicidas e de agrotóxicos, não falamos necessariamente de algo que vá combater uma doença. Não é disso que estamos falando. Quando falamos no Brasil que 96% da produção de soja é transgênica, significa que vendemos sementes em conjunto com herbicidas, sementes modificadas geneticamente para receber herbicidas. Falar em venda de agrotóxicos no Brasil não é falar em remédio para plantas."

Assim, atribuir, o termo agrotóxico ou similar a uma forma de medicamento é, no mínimo, um equívoco. "Usar a palavra 'remédio' para uma substância que é tóxica é muito temerário, por isso digo que é leviano. Essas substâncias muitas vezes são cancerígenas, ou teratogênicas, provocam malformação fetal, ou causam outros agravos à saúde. Não podemos chamar de remédio substâncias que trazem em si um risco à saúde humana e ambiental", argumenta.

"Temos que olhar com cuidado esse tipo de declaração porque ela é perigosa, induz a população a encarar – e ele usou essa palavra 'defensivo' – como algo para defender a agricultura, mas esses produtos trazem risco à saúde humana e ambiental", afirma Larissa.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email