Delação de Primo pode solucionar caso Siemens

Ex-presidente da multinacional alemã era quem operava a conta de Luxemburgo, de onde saía o dinheiro das propinas; "o trem pagador andou por outros trilhos e Adílson Primo sabe em que estações ele parou", diz Fernando Brito, editor do Tijolaço, que propõe o acordo judicial com o executivo

Delação de Primo pode solucionar caso Siemens
Delação de Primo pode solucionar caso Siemens (Foto: Edição/247 Fotos: Reprodução)

247 - O melhor caminho para solucionar de vez o caso Siemens é um acordo de delação premiada entre a Justiça brasileira e o ex-presidente da Siemens, Adilson Primo, operador da conta de Luxemburgo, de onde saía o dinheiro das propinas. Leia, abaixo, sua análise:

A conta em Luxemburgo é o nó górdio do Caso Siemens. E Primo, o que sabe de tudo

Por Fernando Brito, do Tijolaço

Está cada vez mais nítido que o acordo de delação premiada que se deve fazer para esclarecer o pagamento de propinas pela Siemens no Brasil não é com a empresa, mas com seu ex-presidente, Adilson Primo.

Presidiu a empresa por toda a primeira década de 200 e sabe de tudo o que se passava ali.

Seu advogado, o espertíssimo Antonio Cláudio Mariz de Oliveira,  sabe que essa história de que ele assinou sem ler os papéis da conta em Luxemburgo, que a própria empresa quis fazer desaparecer sem deixar pistas, não vai colar nem com SuperBonder.

Primo jamais iria usar os serviços da própria Siemens para abrir uma conta se estivesse roubando a própria Siemens.

E muito menos a Siemens alemã despejaria dinheiro nela, se não fosse com alguma finalidade negocial.

Se fosse um desvio pessoal de dinheiro não se mobilizaria um trinca – dois dirigentes da empresa e um advogado internacional, para mandar Sergio de Bonna, controller da Siemens, colher uma simples rubrica numa ficha de encerramento de conta, como publica hoje o Estadão.

A história é inverossímil, de cabo a rabo.

Está evidente que a Siemens quer enfiar esta patranha nas costas de pessoas físicas.

E a imprensa está aceitando este jogo, porque não quer ver que a grande beneficiária de negócios ilícitos não é a figura de Primo nem os operadores das consultorias offshore contratadas pela empresa.

É a Siemens, que abiscoitou contratos de bilhões.

E, claro, quem os concedeu por propina.

A Justiça da Alemanha e a dos EUA, que não são “bobinhas” como a imprensa brasileira não livrou a empresa por lá, embora tenha também apurado a responsabilidade criminal dos agentes de sua corrupção.

A conta em Luxemburgo é “troco”, com seus US$ 7 ou 8 milhões.

Pode até ser “comissão”, mas não é o bolo.

O trem pagador andou por outros trilhos e Adílson Primo sabe em que estações ele parou.

Por mais que tenham pingado uns trocados – trocados de milhões – para ele, quem comeu o bolo foram outros, os que concediam vantagens à empresa.

Primo vai ter de escolher e seu advogado sabe disso.

Ou entrega o esquema em troca de uma delação premiada – o que a Siemens está tentando fazer contra ele, com o acordo de leinência com o Cade –  ou vai confraternizar com o ex-colega de faculdade José Roberto Arruda no xilindró.

E porque Primo não fala?

Ele está esperando para ver o que o peso político das gares onde parou o trensalão da Siemens consegue fazer.

Se o Ministro Marco Aurélio Mello mandar devolver o inquérito a São Paulo, fica mais fácil desarmar o homem-bomba.


 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247