Desemprego diminui na Região Metropolitana de Salvador

As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego, analisadas pela Superintendência de estudos Econômicos e Sociais da Bahia, mostram que a taxa de desemprego total da Região Metropolitana de Salvador diminuiu, ao passar de 24,1% para 23,7% da População Economicamente Ativa, entre agosto e setembro de 2017; houve redução da taxa de desemprego aberto, de 17,2% para 16,7%, e relativa estabilidade da taxa de desemprego oculto, de 7,0% para 6,9%; o contingente de desempregados foi estimado em 456 mil pessoas (menos 12 mil em relação ao mês anterior)

As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego, analisadas pela Superintendência de estudos Econômicos e Sociais da Bahia, mostram que a taxa de desemprego total da Região Metropolitana de Salvador diminuiu, ao passar de 24,1% para 23,7% da População Economicamente Ativa, entre agosto e setembro de 2017; houve redução da taxa de desemprego aberto, de 17,2% para 16,7%, e relativa estabilidade da taxa de desemprego oculto, de 7,0% para 6,9%; o contingente de desempregados foi estimado em 456 mil pessoas (menos 12 mil em relação ao mês anterior)
As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego, analisadas pela Superintendência de estudos Econômicos e Sociais da Bahia, mostram que a taxa de desemprego total da Região Metropolitana de Salvador diminuiu, ao passar de 24,1% para 23,7% da População Economicamente Ativa, entre agosto e setembro de 2017; houve redução da taxa de desemprego aberto, de 17,2% para 16,7%, e relativa estabilidade da taxa de desemprego oculto, de 7,0% para 6,9%; o contingente de desempregados foi estimado em 456 mil pessoas (menos 12 mil em relação ao mês anterior) (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247 - As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego, analisadas pela Superintendência de estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), mostram que a taxa de desemprego total da Região Metropolitana de Salvador diminuiu, ao passar de 24,1% para 23,7% da População Economicamente Ativa (PEA), entre agosto e setembro de 2017. Houve redução da taxa de desemprego aberto, de 17,2% para 16,7%, e relativa estabilidade da taxa de desemprego oculto, de 7,0% para 6,9%.

A Pesquisa de Emprego e Desemprego é analisada pela SEI em parceria com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), a Fundação Seade do Estado de São Paulo, a Secretaria de Trabalho do Estado da Bahia (SETRE), e conta com o apoio do Fundo de Amparo ao Trabalhador do Ministério do Trabalho.

O contingente de desempregados foi estimado em 456 mil pessoas (menos 12 mil em relação ao mês anterior). Este resultado decorreu da redução da PEA (-0,9% ou -17 mil) concomitante à variação negativa do número de postos de trabalho (-0,3% ou -5 mil) (Tabela 1). A taxa de participação – indicador que estabelece a proporção de pessoas com 10 anos ou mais presentes no mercado de trabalho como ocupadas ou desempregadas – decresceu de 57,6%, em agosto, para 57,0%, em setembro.

No mês de setembro, o contingente de ocupados variou negativamente (-0,3% ou -5 mil) e foi estimado em 1.469 mil pessoas. Segundo os setores de atividade econômica analisados, houve acréscimo na Construção (5,9% ou 7 mil), na Indústria de transformação (2,8% ou 3 mil) e no Comércio e reparação de veículos (2,5% ou 7 mil), e declínio nos Serviços (-1,9% ou -18 mil).

Segundo a posição na ocupação, o contingente de trabalhadores assalariados reduziu-se (-1,6% ou -15 mil), com decréscimo no setor privado (-1,9% ou -16 mil) e relativa estabilidade no setor público (0,7% ou 1 mil). No setor privado, houve retração no número de postos com carteira de trabalho assinada (-2,4% ou -18 mil) e pequeno aumento no daqueles sem registro em carteira (2,4% ou 2 mil). Houve, ainda, aumento no agregado outras posições ocupacionais, que inclui empregadores, trabalhadores familiares, donos de negócio familiar, etc. (9,5% ou 8 mil) e no número de trabalhadores autônomos (1,6% ou 5 mil), enquanto diminuiu o contingente de empregados domésticos (-2,6% ou -3 mil).

Entre julho e agosto de 2017, o rendimento médio real diminuiu para os ocupados (-2,6%) e para os assalariados (-2,8%). Em valores monetários, passaram a equivaler a R$ 1.493 e R$ 1.552, respectivamente.

A massa de rendimentos reais retraiu-se entre os ocupados (-3,2%) e entre os assalariados (-4,5%). Em ambos os casos, o comportamento derivou do decréscimo no rendimento médio real e, em menor proporção, do nível de ocupação.

Comportamento em 12 meses - Entre os meses de setembro de 2016 e de 2017, a taxa de desemprego total na RMS declinou, ao passar de 25,5% para 23,7% da PEA. Esse resultado derivou da redução da taxa de desemprego aberto (de 18,0% para 16,7%) e da taxa de desemprego oculto (de 7,5% para 6,9%).

O contingente de desempregados diminuiu em 37 mil pessoas. Tal comportamento decorreu da elevação no nível de ocupação (2,1% ou mais 30 mil postos de trabalho) e da oscilação negativa da População Economicamente Ativa − PEA (-0,4% ou menos -7 mil pessoas na força de trabalho da região). A taxa de participação diminuiu de 58,3% para 57,0%.

Nos últimos 12 meses, o número de ocupados aumentou 2,1%, ao passar de 1.439 mil para 1.469 mil pessoas. Setorialmente, houve aumento na Construção (15,7% ou 17 mil), nos Serviços (2,4% ou 22 mil) e, em menor magnitude, no Comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas (1,0% ou 3 mil) e redução na Indústria de transformação (-4,4% ou -5 mil).

Segundo a posição na ocupação, nos últimos 12 meses, o emprego assalariado declinou (-3,4% ou -33 mil), devido ao decréscimo no setor privado (-3,3% ou -28 mil) e no setor público (-3,6% ou -5 mil). No setor privado, reduziu o número de assalariados com carteira assinada (-1,9% ou -14 mil) e daqueles sem registro em carteira (-14,1% ou -14 mil). Constatou-se, ainda, aumento no agregado outras posições ocupacionais, que inclui empregadores, trabalhadores familiares e donos de negócio familiar, entre outros (26,0% ou 19 mil) e no contingente de trabalhadores autônomos (16,8% ou 46 mil), enquanto retraiu o número de empregados domésticos (-1,8% ou -2 mil). Entre agosto de 2016 e 2017, o rendimento médio real aumentou para os ocupados (4,4%) e para os assalariados (2,3%).

Nesse período, houve aumento na massa de rendimentos reais dos ocupados (7,8%) e na dos assalariados (2,9%). Em ambos os casos, como resultado do acréscimo do rendimento médio real e, em menor proporção, do nível de ocupação.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247