Dilma ignora, mas greve no Mineirão fez barulho

Presidente fica apenas vinte minutos no estdio; fez fotos com Pel; polticos a cortejaram; no porto de entrada, operrios em greve fizeram protesto que no deu para no ouvir; nem tudo vai bem a mil dias da Copa

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A presidente Dilma Rousseff fez uma visita breve, repleta de políticos, ao estádio do Mineirão, hoje pela manhã, em Belo Horizonte. Ela ignorou uma manifestação de grevistas em concentração na entrada do estádio, porém muito distante dos locais por onde a comitiva presidencial circulou. Dilma tirou fotos ao lado de Pelé, ganhou uma camisa do Atlético Mineiro e posou com outra camisa, desta vez semelhante a da seleção brasileira, com o número 1.000, simbolizando os dias que faltam para o início da Copa do Mundo. O governador Antonio Anastasia, o prefeito Marcio Lacerda e seu filho Tiago, agora nomeado para tocar os projetos relacionados ao Mundial estavam lá.

Abaixo, notíciário da Agência Estado a respeito da greve no Mineirão:

A paralisação dos funcionários da obra do Mineirão continuou na manha desta sexta-feira, ao contrário do que informou que aconteceria, na última quinta, a Secretaria de Estado Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa) do governo de Minas Gerais. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores da Construção de Belo Horizonte, os trabalhadores exigem equiparação com o piso salarial pago em São Paulo para as obras de Itaquerão, de R$ 1.150, ampliação do plano de saúde para toda família, aumento no valor do vale-alimentação e melhores condições de trabalho.

A Secopa havia informado na última quinta que o que existia era uma tentativa de paralisação, mas havia funcionários trabalhando. No entanto, o sindicato já avisou que os cerca de 1.100 funcionários que participam da obra só voltarão ao trabalho quando tiverem suas reivindicações atendidas.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247