Dilma: "Trabalho pelo país mesmo debaixo de desfaçatez e intolerância"

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta (14), em Salvador, que vai trabalhar pelo país mesmo "debaixo da pressão, desfaçatez e intolerância que às vezes recai sobre Brasília"; em discurso para uma plateia de integrantes de movimentos sociais e parlamentares do PT e partidos aliados, durante lançamento do Dialoga Brasil a presidente criticou a "insidiosa tentativa de criar no Brasil uma situação de 'quanto pior, melhor'"; a presidente também teve um encontro fechado com um grupo de 40 empresários de diferentes setores da economia

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta (14), em Salvador, que vai trabalhar pelo país mesmo "debaixo da pressão, desfaçatez e intolerância que às vezes recai sobre Brasília"; em discurso para uma plateia de integrantes de movimentos sociais e parlamentares do PT e partidos aliados, durante lançamento do Dialoga Brasil a presidente criticou a "insidiosa tentativa de criar no Brasil uma situação de 'quanto pior, melhor'"; a presidente também teve um encontro fechado com um grupo de 40 empresários de diferentes setores da economia
A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta (14), em Salvador, que vai trabalhar pelo país mesmo "debaixo da pressão, desfaçatez e intolerância que às vezes recai sobre Brasília"; em discurso para uma plateia de integrantes de movimentos sociais e parlamentares do PT e partidos aliados, durante lançamento do Dialoga Brasil a presidente criticou a "insidiosa tentativa de criar no Brasil uma situação de 'quanto pior, melhor'"; a presidente também teve um encontro fechado com um grupo de 40 empresários de diferentes setores da economia (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira (14), em Salvador, que vai trabalhar pelo país mesmo "debaixo da pressão, desfaçatez e intolerância que às vezes recai sobre Brasília". Em discurso para uma plateia de integrantes de movimentos sociais e parlamentares do PT e partidos aliados, a presidente criticou a "insidiosa tentativa de criar no Brasil uma situação de 'quanto pior, melhor'".

Uma representante do Conselho de Cultura da Bahia disse que a presidente estava "uma gata". Em resposta, a presidente afirmou que a constatação era resultado de uma "vida saudável, mesmo debaixo da pressão, desfaçatez e intolerância que às vezes recai em Brasília".

"Vou fazer uma afirmação até um pouco pretensiosa: se tem uma coisa de que tenho orgulho foi do que fizemos no governo Lula e no meu governo em relação ao Nordeste. E isso eles jamais vão tirar de nós", ressaltou.

Em Salvador, Dilma lançou a segunda edição do programa Dialoga Brasil. Em formato de programa de auditório e com a participação de quatro ministros, o evento teve plateia de 300 líderes de entidades civis alinhadas ao PT, além de deputados, secretários e vereadores do partido.

Os ministros Miguel Rosseto (Secretaria Geral) Teresa Campelo (Desenvolvimento Social), Arthur Chioro (Saúde) e Juca Ferreira (Cultura) falaram de programas que são vitrines do governo, como o Mais Médicos, o Bolsa Família e o Vale Cultura. A plateia apresentou propostas à presidente.

Nos próximos meses, a presidente deve replicar o evento Dialoga Brasil em outras capitais brasileiras. Recife e Fortaleza são os próximos destinos. Além da reunião com movimentos sociais, a presidente também teve um encontro fechado com um grupo de 40 empresários de diferentes setores da economia.

 

Abaixo a matéria do Blog do Planalto sobre o encontro com os empresários:

Diálogo proposto pelo governo é importante para o desenvolvimento do Brasil, avaliam empresários

A presidenta Dilma Rousseff participa no começo da tarde desta sexta-feira (14) de reunião com empresários baianos. O encontro visa detalhar propostas do governo federal que beneficiem os empreendedores. Também participam do evento os ministros do Planejamento, Nelson Barbosa; da Agricultura, Katia Abreu; e do Desenvolvimento, Comércio e Indústria (MDIC); que vão detalhar o Programa de Investimento em Logística (PIL), o Plano Safra, e o Plano Nacional de Exportação.

Para o empresário da Cone S/A (setor de logística industrial), Ângelo Bellelis, o debate é uma ótima oportunidade de alinhar as propostas do governo com as necessidades do segmento. “É importantíssimo entender quais são os investimentos previstos, para quando são e poder discutir, poder colocar nossas ideias também. O diálogo tem que ser aberto, nós temos encontrar caminhos que sejam convergentes. A expectativa é boa, uma abertura para que a gente possa colocar nossas ideias”, comentou.

Já o empresário Roberto Zitelmann de Oliva, da Intermarítima Portos e Logística, avalia a importância do diálogo do governo com o setor empresarial que é “um ator” significativo para o desenvolvimento do País. “É no setor empresarial que se gera emprego, renda e impostos. Essa parceria público-privada é muito importante para o desenvolvimento do País e para a gente conseguir superar essa situação na economia, um dos caminhos é esse entendimento entre o governo e os empresários. Daí pode encaminhar uma agenda positiva que o Brasil precisa”, disse.

Fábio Ribeiro da Leitíssima S/A, que também participa do encontro, acredita que a conversa é um “ponto-chave para o empresariado sentar junto com o governo”. Ele ainda ressaltou que “tem enorme interesse em participar nessa reunião, incluindo a pauta de investimento em rodovias”, afirmou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email