Djamila Ribeiro: 'Brasil foi fundado em cima do sangue negro e indígena'

Filósofa, escritora e feminista, Djamila Ribeiro afirmou que o Brasil "foi fundado em cima do sangue negro e indígena" ao falar sobre o racismo no País. "Muitas vezes, no Brasil fica muito no repúdio moral contra o racismo", afirmou

Djamila Ribeiro
Djamila Ribeiro (Foto: Reprodução (TV Cultura))
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Filósofa, escritora e feminista, Djamila Ribeiro afirmou que o Brasil "foi fundado em cima do sangue negro e indígena" ao falar sobre o racismo no País. "Muitas vezes, no Brasil fica muito no repúdio moral contra o racismo. Então, uma pessoa muito conhecida sofre um ataque racista, as pessoas vão para as redes sociais e falam: 'nossa, em pleno século 21 o Brasil ainda é racista", afirmou durante participação no "Roda Viva", da TV Cultura, na noite dessa segunda-feira (9).

"Então falta muitas vezes ao brasileiro o entendimento do racismo como uma estrutura, a investigação sobre a origem social das desigualdades e de romper com essa visão que ficou, infelizmente, muito popular no Brasil porque foi feita para uma elite intelectual", complementou.

Ao comentar a eleição presidencial nos EUA, a estudiosa afirmou que o ativismo negro foi "fundamental para a eleição de Biden e Harris" [Joe Biden e Kamala Harris, da chapa democrata à presidência dos EUA]. 

A filósofa disse que a eleição norte-americana terá suas implicações no Brasil. "A própria eleição do Bolsonaro, quando se analisa o mapa [dos votos], a maior parte dos eleitores do Bolsonaro é de homens brancos de classe alta".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247