Dólar aproxima-se de R$ 3,50 após desvalorização do yuan

Depois de ter caído nas duas últimas sessões, a moeda norte-americana teve forte alta nesta terça-feira 11, encerrando o dia vendido a R$ 3,498, com alta de R$ 0,055 (1,59%); cotação foi influenciada pelo cenário externo: o Banco Central da China anunciou hoje a desvalorização do yuan em quase 2% em relação ao dólar norte-americano

Depois de ter caído nas duas últimas sessões, a moeda norte-americana teve forte alta nesta terça-feira 11, encerrando o dia vendido a R$ 3,498, com alta de R$ 0,055 (1,59%); cotação foi influenciada pelo cenário externo: o Banco Central da China anunciou hoje a desvalorização do yuan em quase 2% em relação ao dólar norte-americano
Depois de ter caído nas duas últimas sessões, a moeda norte-americana teve forte alta nesta terça-feira 11, encerrando o dia vendido a R$ 3,498, com alta de R$ 0,055 (1,59%); cotação foi influenciada pelo cenário externo: o Banco Central da China anunciou hoje a desvalorização do yuan em quase 2% em relação ao dólar norte-americano (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil

Depois de ter caído nas duas últimas sessões, a moeda norte-americana teve forte alta nesta terça-feira (11). O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 3,498, com alta de R$ 0,055 (1,59%).

De manhã, a cotação operou próximo da estabilidade, mas disparou a partir das 10h. Na máxima do dia, por volta das 12h40, o dólar chegou a ser vendido a R$ 3,512. A divisa acumula alta de 2,13% em agosto e de 31,6% no ano.

A cotação foi influenciada pelo cenário externo. O Banco Central da China anunciou hoje a desvalorização do yuan em quase 2% em relação ao dólar norte-americano, com o objetivo de reforçar a segunda maior economia mundial e estimular as exportações.

A desvalorização da moeda chinesa, a maior desde as reformas do sistema monetário em 2005, surge em um momento em que a economia do país encontra-se em forte desaceleração. O objetivo é estimular as exportações, uma vez que a produção nacional fica mais barata.

Segundo economistas, a desvalorização poderá levar a uma reação dos Estados Unidos, que têm argumentado que o yuan está subvalorizado e pressionando as demais moedas asiáticas.

Desde que a equipe econômica anunciou, há três semanas, a redução para 0,15% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) da meta de superávit primário (economia para pagar os juros da dívida pública), o dólar passou a subir. Segundo economistas ouvidos pela Agência Brasil , a possibilidade de o país perder o grau de investimento das agências de classificação de risco tem pressionado o câmbio.

A decisão da Moody's, que rebaixou hoje a nota da dívida soberana brasileira, não interferiu na cotação do dólar, porque foi divulgada após o fechamento do mercado. Apesar da redução, o país está uma nota acima do grau de investimento, que é a capacidade de um país não dar calote na dívida pública.

*Com informações da Agência Lusa

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email