Efeito cascata da Lava Jato paira sobre polo naval

A suspensão dos repasses da Petrobras às empresas prestadoras de serviços começa a afetar o polo naval de Pernambuco; a Máquinas Piratininga, que há três meses anunciou investimento de R$ 6 milhões para a produção de módulos de exploração do pré-sal, dispensou 360 funcionários alegando não poder arcar com as obrigações trabalhistas; a empresa alega que a Alumini e a Fidens Engenharia não estariam repassando os recursos após a Petrobras ter suspendido o pagamento em decorrência da Lava Jato; o déficit chegaria a R$ 9 milhões

A suspensão dos repasses da Petrobras às empresas prestadoras de serviços começa a afetar o polo naval de Pernambuco; a Máquinas Piratininga, que há três meses anunciou investimento de R$ 6 milhões para a produção de módulos de exploração do pré-sal, dispensou 360 funcionários alegando não poder arcar com as obrigações trabalhistas; a empresa alega que a Alumini e a Fidens Engenharia não estariam repassando os recursos após a Petrobras ter suspendido o pagamento em decorrência da Lava Jato; o déficit chegaria a R$ 9 milhões
A suspensão dos repasses da Petrobras às empresas prestadoras de serviços começa a afetar o polo naval de Pernambuco; a Máquinas Piratininga, que há três meses anunciou investimento de R$ 6 milhões para a produção de módulos de exploração do pré-sal, dispensou 360 funcionários alegando não poder arcar com as obrigações trabalhistas; a empresa alega que a Alumini e a Fidens Engenharia não estariam repassando os recursos após a Petrobras ter suspendido o pagamento em decorrência da Lava Jato; o déficit chegaria a R$ 9 milhões (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Pernambuco 247 - O efeito cascata desencadeado pela suspensão dos repasses da Petrobras às empresas prestadoras de serviços em Pernambuco começa a afetar o polo naval do Estado. Nesta linha, a Máquinas Piratininga, que a três meses anunciou investimentos de R$ 6 milhões voltados para a produção de módulos de exploração do pré-sal, dispensou 360 funcionários com a justificativa de não poder arcar com as obrigações trabalhistas. A empresa alega que a Alumini e a Fidens Engenharia não estariam repassando os recursos pelo fato da Petrobras ter suspendido o pagamento a estas empresas em decorrência da Operação Lava Jato da Polícia Federal. O déficit de caixa chegaria a R$ 9 milhões.

O diretor da Máquinas Piratininga, Pedro Rezaque, disse, em entrevista ao jornal folha de Pernambuco, esperar que o problema seja solucionado ainda esta semana e que, por enquanto, mesmo com a dispensa de pessoal os contratos para a construção dos módulos de exploração do pré-sal não serão prejudicados pelo fato o projeto ainda encontrar-se em fase de engenharia. E de outras empresas

Apesar disso, Rezaque ressaltou que caso o problema não seja solucionado rapidamente os contratos poderão ser prejudicados. "Seria extremamente prejudicial para o Estado perder o primeiro contrato de produção desse equipamento com uma empresa pernambucana", disse o executivo.

A Operação Lava Jato da Polícia Federal investiga denúncia de desvios e fraudes e corrupção na Petrobras, tendo como um dos focos centrais a implantação da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. A Alumini e a Fidens prestam serviços a estatal por meio de diversos contratos junto a estatal. Funcionários das duas empresas já realizaram paralisações e protestos por conta dos atrasos nos pagamentos dos salários em decorrência do atraso nos repasses por parte da Petrobras.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247