Elias questiona corte de direitos de servidores

Vereador foi ao Ministério Público Estadual e Ministério Público do Trabalho pedir que investiguem decisão da prefeitura de Goiânia de suspender benefícios como adicionais de incentivo à profissionalização, periculosidade e insalubridade, entre outros; socialista alega que o desequilíbrio financeiro do Paço não pode ser sanado às custas dos direitos legais conquistados pelos trabalhadores

Vereador foi ao Ministério Público Estadual e Ministério Público do Trabalho pedir que investiguem decisão da prefeitura de Goiânia de suspender benefícios como adicionais de incentivo à profissionalização, periculosidade e insalubridade, entre outros; socialista alega que o desequilíbrio financeiro do Paço não pode ser sanado às custas dos direitos legais conquistados pelos trabalhadores
Vereador foi ao Ministério Público Estadual e Ministério Público do Trabalho pedir que investiguem decisão da prefeitura de Goiânia de suspender benefícios como adicionais de incentivo à profissionalização, periculosidade e insalubridade, entre outros; socialista alega que o desequilíbrio financeiro do Paço não pode ser sanado às custas dos direitos legais conquistados pelos trabalhadores (Foto: Realle Palazzo-Martini)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O vereador Elias Vaz (PSB) protoclou nesta sexta-feira representação no Ministério Público Estadual e no Ministério Público do Trabalho pedindo que seja investigada decisão da prefeitura de suspender benefícios dos servidores, como adicionais de incentivo à profissionalização, periculosidade e insalubridade, entre outros.

O vereador procurou os dois órgãos porque a portaria, retroativa ao dia 30 de janeiro, ou seja, com validade já para o pagamento deste mês, inclui os quase 50 mil funcionários, tanto do regime seletista quanto do estatutário.

Elias Vaz recebeu várias denúncias, inclusive pelo Facebook, de funcionários que teriam benefícios legais suspensos. “A prefeitura não pode, para cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal, penalizar trabalhadores que conquistaram direitos. O desequilíbrio nas contas do Município vem desde o ano passado e não é justo que a corda arrebente do lado mais fraco, o do trabalhador. Para diminuir a despesa com a folha de pagamento, a prefeitura deveria cortar altos salários de apadrinhados, vantagens ilegais e pagamento de jetons, como venho denunciando”, destaca o vereador.

A Lei de Responsabilidade Fiscal estabelece que um município não pode gastar acima de 54% da receita com a folha de pagamento. O limite prudencial estabelecido por lei, de 51,3%, há muito tempo não é cumprido pela prefeitura de Goiânia.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email