Em PE, Refinaria Abreu e Lima retomará obras

O recomeço da construção da Refinaria Abreu e Lima (Rnest), no Complexo Industrial Portuário de Suape, no Grande Recife, deve reanimar a economia de Pernambuco, que abriga um empreendimento cuja onda de desligamentos, iniciada em 2014, gerou perdas de 40 mil empregos; a Petrobras prevê um investimento de R$ 756 milhões na Rnest para 2016 com o objetivo de retomar as obras da primeira etapa, suspensas em consequência da Operação Lava Jato; dois mil empregos devem ser gerados apenas na construção pesada, com o reinício das obras na refinaria; a primeira etapa é a Unidade de Abastimento de Emissões de Enxofre (SNOX), que diminui a emissão de poluentes na atmosfera

Construção do sistema de tochas da Refinaria Abreu e Lima
rnest
Construção do sistema de tochas da Refinaria Abreu e Lima rnest (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Pernambuco 247 -  O recomeço da construção da Refinaria Abreu e Lima (Rnest), no Complexo Industrial Portuário de Suape, Sul da Região Metropolitana do Recife, deve reanimar a economia de Pernambuco, que abriga um empreendimento cuja onda de desligamentos, iniciada em 2014, gerou perdas de 40 mil empregos. A Petrobras prevê um investimento de R$ 756 milhões na Rnest para 2016 com o objetivo de retomar as obras da primeira etapa, suspensas em consequência dos impactos da Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF), que investiga um esquema de corrupção envolvendo a estatal, além de políticos e empreiteiras.

Dois mil empregos devem ser gerados apenas na construção pesada, com a retomada das obras na refinaria, que foi orçada inicialmente em US$ 2,5 bilhões, mas tem previsão de atingir US$ 20 bilhões. A refinaria terá capacidade para processar 230 mil barris de petróleo por dia (bpd). Apenas a primeira etapa está pronta, com capacidade para processar 115 mil bpd.

A Petrobras ainda terá de licitar a obra, para depois começarem as contrações. A parte da primeira etapa a ser retomada é a Unidade de Abastimento de Emissões de Enxofre (SNOX), que diminui a emissão de poluentes na atmosfera. A estatal assinou o primeiro contrato de construção da unidade em 2011, com o consórcio Ebe-Alusa.

O orçamento previsto foi de R$ 574,6 milhões. As companhias, no entanto, entraram em divergência sobre valores dos aditivos, e as obras foram abandonadas. Como consequência, a refinaria foi autorizada a processar 64% da capacidade total da unidade.

Mas, para garantir a funcionalidade total da Rnest, a Petrobras e o governo de Pernambuco assinaram um termo de compromisso, mediante condições de processamento de um tipo de petróleo menos poluente, enquanto a SNOX não fica pronta.

A Agência Estadual de Meio Ambiente (CPHR) informou, segundo o Jornal do Commercio, que a previsão é que a licença de operação de 100% da refinaria seja liberada na próxima segunda-feira (11). Com a construção do empreendimento, a ideia é que o Brasil se torne autossuficiente na produção de óleo diesel, quando as duas etapas da Rnest estiverem prontas.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247