Emediato: Alckmin comprou apoio de Cristovam com caixa dois, em 2006

Em novo texto, o jornalista Luiz Fernando Emediato revela que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) foi quem pediu doações ao senador Cristovam Buarque, na disputa presidencial de 2006, em troca de apoio no segundo turno; Emediato, que coordenou a campanha de Cristovam naquele ano, diz ainda que o senador usou os recursos em proveito próprio; Cristovam tem sido hostilizado em Brasília por seu apoio ao golpe e já foi alvo até de uma "desvotação"

Em novo texto, o jornalista Luiz Fernando Emediato revela que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) foi quem pediu doações ao senador Cristovam Buarque, na disputa presidencial de 2006, em troca de apoio no segundo turno; Emediato, que coordenou a campanha de Cristovam naquele ano, diz ainda que o senador usou os recursos em proveito próprio; Cristovam tem sido hostilizado em Brasília por seu apoio ao golpe e já foi alvo até de uma "desvotação"
Em novo texto, o jornalista Luiz Fernando Emediato revela que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) foi quem pediu doações ao senador Cristovam Buarque, na disputa presidencial de 2006, em troca de apoio no segundo turno; Emediato, que coordenou a campanha de Cristovam naquele ano, diz ainda que o senador usou os recursos em proveito próprio; Cristovam tem sido hostilizado em Brasília por seu apoio ao golpe e já foi alvo até de uma "desvotação" (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Luiz Fernando Emediato, em seu Facebook 

O DRAMA DE CRISTOVAM BUARQUE - 2

Não queria voltar a esse lamentável assunto, mas o senador Cristovam Buarque, com uma desastrada declaração ao Congresso em Foco, obriga-me a fazê-lo.

Revelei aqui que em sua campanha presidencial de 2006, que coordenei de graça, por simpatia e amizade, Cristovam infelizmente foi obrigado pelas circunstâncias a aceitar doações não contabilizadas de pelo menos uma empreiteira, de um ex-banqueiro, por recomendação da campanha de Geraldo Alckmin, também candidato à presidência, e da própria campanha de Alckmin, em troca de apoio no segundo no segundo turno contra Lula.

Em vez de se explicar - ou de me processar - Cristovam disse ao Congresso em Foco que “a Justiça deveria reabrir todas as prestações de contas de candidatos assessorados por Emediato, ele deve saber de muita coisa e poderia até fazer uma delação premiada”.

Cristovam deve ter enlouquecido. Eu não assessoro mais nenhum candidato desde que fiz a campanha dele, há 10 anos. Já não assessorava naquela época, aliás. Eu edito livros. E delação premiada quem faz é criminoso, para atenuar sua pena.

Como trabalhei de graça para Cristovam, não fui evidentemente pago com os recursos de caixa 2 que ele recebeu. Não cometi crime algum. Caso a Justiça queira saber dessa história, quem poderia fazer delação premiada seria ele, que usou o dinheiro em seu benefício, e não eu.

Em tempo: a campanha de Cristovam Buarque foi aprovada pela Justiça Eleitoral. Óbvio: ele só declarou, como qualquer um, o que recebeu legalmente.
Emediato: Alckmin comprou apoio de Cristovam com caixa dois, em 2006

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247