Enfisema pulmonar. Um diagnóstico frequentemente adiado

Um estudo mostra que na maioria dos casos, ele poderia ter sido solicitado cinco anos antes. Trata-se de uma doença pulmonar insidiosa, que faz danos consideráveis. Na França, 3,5 milhões de pessoas são afetadas, muitas vezes sem saber, por enfisema ainda chamado de doença pulmonar crônica obstrutiva (DPCO).

Enfisema pulmonar. Um diagnóstico frequentemente adiado
Enfisema pulmonar. Um diagnóstico frequentemente adiado (Foto: Jana BlaA!kovA!)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

 

Por Damien Mascret - Le Figaro

 

«Existem dois componentes na doença que chamamos de DPCO, explica ao Le Figaro, o Prof. Gérard Huchon, presidente da Fundação da respiração. O primeiro é a bronquite crônica que faz tossir e cuspir e que é reversível ao parar de fumar.» Pois 80% dos pacientes são fumantes ou ex-fumantes «O segundo componente é a DPCO que, ela, é irreversível», acrescenta o pneumologista.

Em outras palavras, os pulmões destruídos não se regeneram e a insuficiência respiratória se desenvolve. «É por isso que é fundamental fazer o diagnóstico antes que os danos sejam irreversíveis. Ao parar de fumar ou ao evitar a exposição ocupacional em questão, é possível estabilizar a doença », insiste o Prof. Huchon.

Fazer o diagnóstico precoce? É justamente o que pesquisadores ingleses queriam avaliar. Eles assumiram os registros de quase 39 mil pacientes cujo diagnóstico de DPCO tinha sido feito entre 1990 e 2009. Eles descobriram que em mais da metade dos casos, as oportunidades de diagnósticos tinham sido apresentadas entre seis e dez anos antes. De fato, 58 % dos pacientes tinham consultado seu médico clínico geral ou um especialista em sintomas respiratórios.

«Não tenho nenhuma dúvida sobre o fato que é a mesma coisa na França, explica o Prof. Huchon, pois as causas de atraso no diagnóstico são múltiplas.» A primeira está, paradoxalmente, nas mãos dos próprios pacientes. Se não contarmos ao nosso médico que tossimos, cuspimos e que perdemos mais facilmente a respiração do que antes ao fazermos esforços, ele não pode adivinhar.

Medição da respiração é teste essencial

A segunda vem dos clínicos gerais. «Quando um médico suspeitar de uma DPCO, ou para qualquer fumante após quinze anos de intoxicação, seria preciso que ele solicitasse uma medição da respiração para poder diagnosticar », sugere o Prof. Huchon. «Dada a prevalência e a gravidade da doença, temos que pensar nisso, mesmo quando nosso paciente não tem queixas respiratórias espontâneas », diz o Dr. Philippe Serrier, médico de clínica geral em Paris, durante o lançamento da campanha «DPCO, a doença pulmonar que mata lentamente » no último mês de novembro.

Nesta ocasião, uma pesquisa chamada OpinionWay para a Fundação da respiração tinha revelado que apenas um francês em cada três sabia que o tabaco era o principal responsável da DPCO e um em cada dois, sabia que se tratava de uma doença potencialmente fatal. «16 mil pessoas morrem a cada ano, explica o Prof. Nicolas Roche, pneumologista no Hospital Cochin (Paris), e as perspectivas para o futuro são sombrias, tendo em vista que o tabagismo não diminui mais atualmente, especialmente entre os jovens e a população feminina.»

Além disso, a tributação pesada e contínua do preço do tabaco não foi considerada no plano câncer 3, apresentado por François Hollande (nossas edições de 4 de fevereiro), tendo em vista que se trata da medida mais eficaz, especialmente para os jovens.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247