"Estarrecido", presidente da AMB critica ação do CNJ

Em Salvador para prestar solidariedade ao 'pior' Tribunal de Justiça do país, o presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Nelson Calandra, fez diversas críticas à atuação da corregedoria do CNJ, principalmente sobre a divulgação dos atos da suspeição antes de sua conclusão; "O CNJ é um órgão novo que busca afirmar sua identidade e mostrar a que veio. Mas há situações que não devem ser divulgadas, sob o risco de pessoas perderem suas vidas ou aquilo que todos temos como patrimônio maior: o nome e a identidade. Nós não podemos sair divulgando um relatório preliminar sem apurar do que se trata"

"Estarrecido", presidente da AMB critica ação do CNJ
"Estarrecido", presidente da AMB critica ação do CNJ
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) ganhou um aliado para tentar se livrar da fama de pior do Brasil e de estar em situação "grave", segundo relatório 'preliminar' de correição feita pela Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Em coletiva à imprensa em Salvador, o presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Nelson Calandra, afirmou que o CNJ "está querendo mostrar a que veio" e também criticou a divulgação das irregularidades à mídia.

"O Brasil está passando por uma fase caracterizada pela publicidade das ações do CNJ. O CNJ é um órgão novo que busca afirmar sua identidade e mostrar a que veio. Mas há situações que não devem ser divulgadas, sob o risco de pessoas perderem suas vidas ou aquilo que todos temos como patrimônio maior: o nome e a identidade. Nós não podemos sair divulgando um relatório preliminar sem apurar do que se trata".

O suposto excedente no pagamento dos precatórios milionários do TJ-BA é visto pelo presidente da AMB como "erro de cálculo" por parte da corregedoria do CNJ. Para Calandra, a denúncia de excedente em precatórios resultou de falhas dos três poderes.

"O pagamento de precatórios é um território pantanoso porque os cálculos são complexos. Como é que houve um excedente de meio bilhão se a Bahia toda só pagou R$ 14 milhões? Nós juízes temos que ter atenção redobrada com os cálculos. O problema é que normalmente advogados, juízes e promotores não têm muita proximidade com a matemática. Uma grande vergonha para o Brasil é que o Executivo e o Legislativo sempre prolongam suas dívidas. É uma vergonha você levar dez ou 12 anos para pagar valores que são reconhecidamente devidos".

O presidente da AMB criticou também a falta de comunicação entre as instâncias federais e estaduais do Judiciário" quando falou sobre a disparidade tão grande entre as informações do relatório preliminar do CNJ e os dados do tribunal baiano.

"Na ótica de quem faz o relatório, aqueles fatos [contidos no documento] existem. Só que eles têm justificativa. No caso dos cálculos por exemplo, o TCU [Tribunal de Contas da União] desconhece se há ou não coisa julgada, se a parte recorreu ou não", disse em matéria publicada no Bahia Notícias.

Assim como a maioria dos desembargadores do estado, Calandra apontou como uma das principais deficiências do TJ-BA a falta de investimento do governo federal, o déficit – que segundo ele chega a 40% – no quadro de magistrados e afirmou que denúncias generalizadas geram "desestímulo na magistratura". De acordo com ele, em 2012, em todo o Brasil, 538 magistrados abandonaram a toga.

Para fechar a conta, o presidente da AMB se disse perplexo com a correição que o CNJ faz na corte baiana e veio prestar sua solidariedade aos colegas de classe.

"Eu fiquei estarrecido quando o CNJ disse que ia fazer uma inspeção na Bahia, que a Bahia era o alvo, porque não achei que nada disso era adequado. Se há uma falha entre os magistrados da Bahia, ela é muitas vezes resultante de falta de condições materiais de trabalho. O fato de nós [a AMB] nos pronunciamos publicamente não é pela rivalidade [com o CNJ] e sim para acabar com esse clima de que a Bahia é o pior lugar do Brasil".

Entre os problemas 'graves' encontrados pelo corregedor do órgão, ministro Francisco Falcão, além dos precatórios, está a constatação de "servidores fantasmas".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247