Executivos de Hollywood apoiam Netflix em boicote contra série israelense “Fauda”

A campanha contra a série é a ação mais recente desde 2005 do movimento BDS para promover um boicote cultural global contra Israel.

Executivos de Hollywood apoiam Netflix em boicote contra série israelense “Fauda”
Executivos de Hollywood apoiam Netflix em boicote contra série israelense “Fauda”

(Reuters) - Mais de 50 executivos de Hollywood expressaram apoio à Netflix, que está enfrentando protestos de um movimento liderado por palestinos para retirar a série de TV israelense “Fauda” de sua plataforma de streaming.

Em uma carta na terça-feira ao chefe de conteúdo da Netflix, Ted Sarandos, os executivos de gravadoras e agências de talentos de Hollywood chamaram a ação feita pelo movimento Boicote, Desinvestimentos, Sanções (BDS) de uma “flagrante tentativa de censura artística”.

“Fauda” é um suspense produzido em Israel e ambientado na Cisjordânia sobre um agente secreto israelense que sai da aposentadoria para caçar um militante palestino.

A série, que possui diálogos tanto em hebraico quanto em árabe, foi transmitida pela primeira vez na TV israelense em 2015 e estreou na Netflix em dezembro de 2016. A Netflix deve lançar a segunda temporada em maio.

Em publicação em seu site na semana passada, o BDS pediu para a Netflix “cancelar ‘Fauda’”, dizendo que a série “glorifica os crimes de guerra do Exército de Israel contra o povo palestino”.

“Fracassar em fazer isto irá abrir a Netflix à pressão popular não violenta e possível responsabilidade legal”, acrescentou a publicação.

A Netflix se negou a comentar nesta quarta-feira.

Em sua carta de apoio, a Comunidade Criativa pela Paz, sediada nos Estados Unidos, chamou a série “Fauda” de uma representação com nuances de questões relacionadas ao conflito israelense/palestino”.

“Nós queremos que vocês saibam que nós apoiamos vocês e a Netflix em face desta flagrante tentativa de censura artística”, segundo a carta. Entre os signatários estão a chefe-executiva da Universal Music Publishing Group, Jody Gerson, o presidente da Geffen Records, Neil Jacobson, e Steve Schnur, presidente de música da desenvolvedora de games Electronic Arts.

A campanha contra a série é a ação mais recente desde 2005 do movimento BDS para promover um boicote cultural global contra Israel.

Reportagem de Jill Serjeant

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247