Famílias da Lanceiros Negros ficam mais uma semana no Centro Vida

A situação das famílias que participaram das ocupações Lanceiros Negros e Lanceiros Negros Vivem, no Centro de Porto Alegre, permanece indefinida; venceu um prazo de 15 dias dado no início do mês pelo comandante do Policiamento da Capital, coronel Jefferson Jacques, para que as 24 famílias desocupem o Centro Humanístico Vida, na zona norte, onde estão desde a desocupação pacífica do prédio do antigo Hotel Açores, em 24 de agosto; no entanto, após conversas com representantes de uma comissão formada para acompanhar o andamento do acordo firmado com o MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas), Jacques comunicou ao movimento que decidiu dar mais uma semana de prazo de permanência no local

A situação das famílias que participaram das ocupações Lanceiros Negros e Lanceiros Negros Vivem, no Centro de Porto Alegre, permanece indefinida; venceu um prazo de 15 dias dado no início do mês pelo comandante do Policiamento da Capital, coronel Jefferson Jacques, para que as 24 famílias desocupem o Centro Humanístico Vida, na zona norte, onde estão desde a desocupação pacífica do prédio do antigo Hotel Açores, em 24 de agosto; no entanto, após conversas com representantes de uma comissão formada para acompanhar o andamento do acordo firmado com o MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas), Jacques comunicou ao movimento que decidiu dar mais uma semana de prazo de permanência no local
A situação das famílias que participaram das ocupações Lanceiros Negros e Lanceiros Negros Vivem, no Centro de Porto Alegre, permanece indefinida; venceu um prazo de 15 dias dado no início do mês pelo comandante do Policiamento da Capital, coronel Jefferson Jacques, para que as 24 famílias desocupem o Centro Humanístico Vida, na zona norte, onde estão desde a desocupação pacífica do prédio do antigo Hotel Açores, em 24 de agosto; no entanto, após conversas com representantes de uma comissão formada para acompanhar o andamento do acordo firmado com o MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas), Jacques comunicou ao movimento que decidiu dar mais uma semana de prazo de permanência no local (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Luís Eduardo Gomes, Sul 21 - A situação das famílias que participaram das ocupações Lanceiros Negros e Lanceiros Negros Vivem, no Centro de Porto Alegre, permanece indefinida. Nesta quarta-feira (22), venceu um prazo de 15 dias dado no início do mês pelo comandante do Policiamento da Capital, coronel Jefferson Jacques, para que as 24 famílias desocupem o Centro Humanístico Vida, na zona norte, onde estão desde a desocupação pacífica do prédio do antigo Hotel Açores, em 24 de agosto. No entanto, após conversas com representantes de uma comissão —  que reúne Prefeitura, BM, Ministério Público, Defensoria Pública e deputados estaduais — formada para acompanhar o andamento do acordo firmado com o MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas), que organizou as ocupações, Jacques comunicou ao movimento na terça-feira (21) que decidiu dar mais uma semana de prazo de permanência no local. Segundo o coronel disse à reportagem do Sul21 na semana passada, a Brigada Militar precisa do espaço para iniciar uma reforma que irá transformá-lo em centro de referência para a juventude da zona norte.

Na manhã desta quarta, os responsáveis pelas 24 famílias compareceram no Departamento Municipal de Habitação (Demhab) para apresentar a documentação que faltava para dar prosseguimento ao processo de concessão de 24 aluguéis sociais pela Prefeitura — cada um no valor de até R$ 500 –, o que foi acordado no dia da desocupação do hotel, há quase três meses. A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Esporte (SMDSE) diz que a falta de documentação era o que estava emperrando a concessão do benefício. Contudo, segundo Nana Sanches, uma das coordenadoras do MLB no RS, a secretaria vinha informando o movimento de que só seria necessário apresentar a documentação quando eles encontrassem um ou mais imóveis que aceitassem o aluguel social.

Nana diz que as famílias têm enfrentado muitas dificuldades para encontrar um imóvel que possa receber todas as famílias que estão morando atualmente no Centro Vida — eles optaram por combinar os 24 benefícios que a Prefeitura disponibilizou para manter as famílias unidas. O problema gira em torno do fato de que os proprietários de todos os imóveis que eles identificaram como adequados exigem a apresentação de um fiador, o pagamento de caução ou contratação de seguro fiança. Nana diz que o movimento não tem condições de arcar com as duas últimas opções e que esperava que o município ou Estado pudessem cumprir o papel de fiadores, mas que não obtiveram resposta positiva.

A assessoria da SMDSE diz que, após a entrega dos documentos, os aluguéis sociais devem ser liberados em até 30 dias. Eles terão prazo máximo de seis meses. A pasta informa ainda que o Ministério Público já deu parecer favorável a que os aluguéis sejam combinados e que a Procuradoria Geral do Município (PGM) ainda não se manifestou. Contudo, salienta que o benefício deve ser concedido individualmente no nome de cada responsável, o que exige a documentação de todas as famílias.

Em reunião com a SMDSE na última quinta-feira (15), o MLB ficou de apresentar três locais identificados como possíveis de serem alugados pelas famílias. Uma das opções analisadas, exemplifica Nana, é um terreno que possui dos imóveis conexos e o aluguel sairia por R$ 18 mil, mas, para alugar, o proprietário estaria exigindo que as famílias contratassem um seguro-fiança, no valor de R$ 30 mil.

“É um valor que a gente não tem como arcar. Nenhum de nós têm propriedades para oferecer como fiador, nem recurso para pagar o seguro-fiança. Quem tem esse tipo de recurso é a Prefeitura, o Estado do RS. Isso nos dificulta muito e vai acabar colocando as pessoas em situação ruim de novo ou de ser organizar para ocupar”, diz, acrescentando que o movimento também tem procurado alternativas para diluir o aluguéis em grupos ou outras possibilidades. “Em última alternativa vamos alugar vários locais para garantir que esse repasse venha”, diz.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247