Fiat quer ampliar linha para outras marcas

O presidente internacional da companhia, Sergio Marchionne, desembarca nesta segunda-feira (25) em Pernambuco com o objetivo de visitar o andamento das obras da Fiat em Goiana, Zona da Mata Norte do Estado, e discutir a possibilidade de a fábrica produzir automóveis da marca americana Chrysler, controlada pela montadora italiana

Fiat quer ampliar linha para outras marcas
Fiat quer ampliar linha para outras marcas
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

PE247 – O presidente internacional da Fiat, Sergio Marchionne, desembarca, nesta segunda-feira (25), em Pernambuco, com o objetivo de visitar o andamento das obras da Fiat em Goiana, Zona da Mata Norte do Estado, e discutir sobre a possibilidade da fábrica italiana produzir automóveis da marca americana Chrysler, controlada pela Fiat. A ideia é reforçar a inserção do grupo italiano nos Estados Unidos, até porque o Nordeste, além dos incentivos fiscais, tem maior proximidade geográfica com os americanos do que outras regiões mais industrializadas do Brasil, como o Sudeste. A fábrica da Fiat terá um investimento total de R$ 4 bilhões e capacidade para produzir 250 mil carros anualmente. O início das operações está previsto para o final de 2014.

A Fiat fez uma junção com a Chrysler em 2009, já que a economia norte-americana mostrou sinais de recuperação mais rapidamente do que a dos países europeus. Tanto é que as vendas de veículos na Europa caíram 17% em 2012.  Já na Europa, a Fiat teve um prejuízo de R$ 700 milhões. A montadora italiana calcula chegar à estabilidade financeira apenas depois de 2015.

Um indicativo da proximidade da Fiat com os EUA é que no canteiro de obras da montadora italiana em Pernambuco há uma placa com o nome da construtora americana Wallbridge, que ergue a fábrica. Curiosamente, a empreiteira já trabalhou com a Chrysler, que tinha uma participação acionária na fábrica que está sendo erguida em Goiana (PE) de 20% em 2009 e, em 2012, passou a ter 58,5%.

O aumento da participação da Chrysler se deve ao desenvolvimento de modelos de carros mais econômicos e mais compactos, um pedido do governo americano. De acordo com informações do jornal Valor Econômico, Marchionne pretende adquirir parte da Chrysler, que pertence ao fundo fiduciário controlado pelo United Auto, Workres, o sindicato dos metalúrgicos representante da maior base dos EUA e onde se concentram as fábricas da Chrysler.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email