Filho vai ajudar a pagar multa de Sérgio Machado

Sergio Firmeza Machado, que até abril deste ano era diretor do Credit Suisse no Brasil, se comprometeu a garantir R$ 27,7 milhões do total de R$ 75 milhões da multa do ex-presidente da Transpetro no acordo firmado com a Lava Jato; ele informou à Receita Federal ter bens avaliados em R$ 139 milhões ao fim de 2015 e renda bruta tributável de R$ 48,4 milhões por seu trabalho no banco, sendo que R$ 13,2 milhões foram retidos como IR na fonte

Sergio Firmeza Machado, que até abril deste ano era diretor do Credit Suisse no Brasil, se comprometeu a garantir R$ 27,7 milhões do total de R$ 75 milhões da multa do ex-presidente da Transpetro no acordo firmado com a Lava Jato; ele informou à Receita Federal ter bens avaliados em R$ 139 milhões ao fim de 2015 e renda bruta tributável de R$ 48,4 milhões por seu trabalho no banco, sendo que R$ 13,2 milhões foram retidos como IR na fonte
Sergio Firmeza Machado, que até abril deste ano era diretor do Credit Suisse no Brasil, se comprometeu a garantir R$ 27,7 milhões do total de R$ 75 milhões da multa do ex-presidente da Transpetro no acordo firmado com a Lava Jato; ele informou à Receita Federal ter bens avaliados em R$ 139 milhões ao fim de 2015 e renda bruta tributável de R$ 48,4 milhões por seu trabalho no banco, sendo que R$ 13,2 milhões foram retidos como IR na fonte (Foto: Fatima 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasil 247 – O filho banqueiro de Sérgio Machado, Sergio Firmeza Machado, que até abril deste ano era diretor do Credit Suisse no Brasil, se comprometeu a garantir R$ 27,7 milhões do total de R$ 75 milhões da multa do ex-presidente da Transpetro no acordo firmado com a Lava Jato.

A diferença será paga em nome de Expedito, o caçula de Machado que atuou ao lado dele no esquema.

Firmeza informou à Receita Federal ter bens avaliados em R$ 139 milhões ao fim de 2015 e renda bruta tributável de R$ 48,4 milhões por seu trabalho no banco, sendo que R$ 13,2 milhões foram retidos como IR na fonte.

Leia aqui na reportagem de Fernando Torres sobre o assunto.

 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247