FIT Pantanal discute desafios do turismo de pesca

O turismo de pesca movimenta a economia do país, somente em 2015 foram realizados cerca de 150 torneios de pesca esportiva, mas ainda é preciso avançar. Um dos membros do Comitê de Pesca do Governo Federal, Kelven Lopes, que participa do evento avalia que o Brasil chega a perder, em média, de 100 a 120 mil turistas por ano para a Argentina

FIT Pantanal discute desafios do turismo de pesca
FIT Pantanal discute desafios do turismo de pesca
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Carolina Valadares

A profissionalização e a organização do setor do Turismo de Pesca estão entre os desafios do segmento na atualidade. O tema está sendo discutido nesta sexta-feira (22), durante Feira Internacional de Turismo do Pantanal (FIT Pantanal), evento realizado em Cuiabá, que tem como objetivo promover os destinos do Mato Grosso para visitantes brasileiros e estrangeiros.

O turismo de pesca movimenta a economia do país, somente em 2015 foram realizados cerca de 150 torneios de pesca esportiva, mas ainda é preciso avançar. Um dos membros do Comitê de Pesca do Governo Federal, Kelven Lopes, que participa do evento avalia que o Brasil chega a perder, em média, de 100 a 120 mil turistas por ano para a Argentina.

Com o objetivo de organizar mais o setor, o Ministério do Turismo está incentivando os meios de hospedagem e serviços turísticos a se formalizarem no Cadastur. “A formalização é importante para que o turista não fique inseguro na hora de contratar um serviço turístico”, explica Brenno de Paula, coordenador da Secretaria Executiva do Ministério do Turismo.

Uma pesquisa realizada, durante o primeiro Torneio Nacional de Pesca Esportiva em Niquelândia (GO), em 2013, mostrou que os participantes gastam em média R$ 4.500 por evento e permanecem cerca de Quatro dias fora de casa. Para hospedar-se, 45% procuram pousadas no local do evento. Mais de 90% dos pescadores são do sexo masculino.

Os gastos desses pescadores distribuem-se da seguinte forma: 27% com alimentação, 27% com combustível da embarcação, 21% com combustível rodoviário, 18% com estadia hospedagem e 4% com transporte aéreo.

Anualmente, o Ministério da Pesca e Aquicultura expede cerca de 382 mil licenças para pesca amadora. São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul são os estados com maior número de licenciados.

O Comitê de Turismo de Pesca é formado pelos Ministério do Turismo, Ministério do Esporte e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

NO RIO OU NO MAR - Para praticar a pesca, o Brasil tem disponível um litoral de mais de 8 mil quilômetros de extensão e mais de 12% de toda a água doce do mundo. Ao todo, são mais de 4 mil espécies de peixe no país. A pesca oceânica é praticada principalmente da Bahia até Santa Catarina e entre os peixes comuns no litoral brasileiro estão o marlin, o xaréu e o espadarte. Em rios, a pesca esportiva pode ser praticada nos 35 mil quilômetros de cursos navegáveis e nos 9 mil quilômetros de margens de reservatórios. Entre os peixes típicos de rios brasileiros estão o tucunaré, o pacu e o dourado.

Em maio de 2015, foi firmado um acordo de cooperação entre o Ministério do Turismo e o Ministério da Pesca para fortalecer o segmento de turismo de pesca, identificar destinos e roteiros turísticos relacionadas ao segmento e avaliar conflitos decorrentes da pesca profissional e amadora. O acordo prevê, ainda, a produção de um mapeamento do perfil dos turistas nacionais e estrangeiros que viajam motivados pela pesca.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247