Fleury: "A polícia tinha obrigação legal de agir”

Governador de São Paulo na época do massacre que deixou 111 mortos após a invasão da PM no Pavilhão 9 do Carandiru, Luiz Antônio Fleury disse em depoimento que não estava na cidade no dia, mas que se estivesse, teria dado a ordem de entrada da polícia; ele contou ainda que foi dormir com a ideia de 60 mortos, mas no dia seguinte, a imprensa o indagou se eram mais de 100

Fleury: "A polícia tinha obrigação legal de agir”
Fleury: "A polícia tinha obrigação legal de agir”
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Fernanda Cruz
Repórter da Agência Brasil

São Paulo – A terceira testemunha de defesa ouvida nesta terça-feira (30), na segunda etapa do julgamento do Massacre do Carandiru, foi o governador na época, Luiz Antônio Fleury. O ex-governador reiterou as declarações fornecidas durante o primeiro julgamento ocorrido em abril. Ele informou que não estava na capital paulista no dia do massacre, mas, se precisasse, teria dado a ordem de ingresso da Polícia Militar no Pavilhão 9 do presídio.

"A responsabilidade política da decisão era minha. No meu governo não tinha preso jogando futebol com cabeça [de preso morto] e com polícia assistindo", disse ele.

Fleury lembra que os fatos ocorreram na véspera das eleições municipais, e ele estava na cidade de Sorocaba, interior do estado. Ele contou que percorria a cidade com um candidato do município. Fleury disse ter recebido informações sobre a ocorrência de uma rebelião em São Paulo, mas que "as coisas estariam sob controle", disse. Como não existia celular naquela época, havia dificuldade de comunicação.

Depois do almoço, o ex-governador relatou que decidiu retornar a São Paulo de helicóptero. Porém, naquela tarde chuvosa, a viagem que era para durar apenas 20 minutos, durou 1 hora. "Cheguei no Palácio dos Bandeirantes e já haviam ocorrido os fatos, a entrada da PM", disse ele.

Em contato por telefone com o secretário de Segurança Pública na época, Pedro Franco de Campos, recebeu a informação de que havia três juízes de Direito presentes no presídio. As circunstâncias descritas pelo ex-secretário, segundo Fleury, indicavam que a entrada da PM era necessária. "A polícia tinha obrigação legal de agir", declarou.

No dia da rebelião, havia 1,2 mil presos no Pavilhão Nove. Fleury disse que os números sobre mortos que chegavam, naquele momento, eram desencontrados. "No final, o secretário foi me informando do número de mortes e eu fui dormir com a ideia de 60 mortos. No dia seguinte, quando fui votar, a imprensa me indagou se eram mais de 100. Disse ao secretário para dizer [a quantidade de mortos] só quando tivesse certeza", disse.

A quantidade real de mortes, 111, só foi divulgada após o fechamento das urnas eleitorais. Fleury destacou, porém, que não houve intenção de abafar esses dados. "Simplesmente houve dificuldade em saber o número de mortos, por isso só foi divulgado no dia posterior", disse ele.

Toda a ação para reprimir a rebelião resultou em 111 detentos mortos e 87 feridos e ficou conhecida como o maior massacre do sistema penitenciário brasileiro.

Após o intervalo para o almoço, o Tribunal do Júri continua com a oitiva de uma testemunha protegida e a exibição de dois vídeos com depoimentos gravados durante a primeira parte do julgamento, em abril deste ano.

Edição: José Romildo

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247