Fontana pede reunião de emergência no STF sobre caso Lula

Deputado federal Henrique Fontana (PT/RS) fez um apelo ao presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, para que marque o julgamento sobre a nomeação do ex-presidente Lula como ministro-chefe da Casa Civil para a próxima semana no Pleno, para que seja avaliada por um maior número de ministros com maior imparcialidade; “Gilmar Mendes é um ministro partidarizado e sem isenção para julgar o ex-presidente Lula. Ele joga com a oposição e é a favor do golpe”, disse Fontana

Fontana pede reunião de emergência no STF sobre caso Lula
Fontana pede reunião de emergência no STF sobre caso Lula (Foto: Fabio Pozzebom/Agencia Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

RS 247 - Nesta manhã de sábado (19), o deputado federal Henrique Fontana (PT/RS) publicou no Twitter um apelo ao presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, para que o julgamento da nomeação do ex-presidente Lula como Ministro Chefe da Casa Civil seja feito pelo Pleno com a maior brevidade possível.

Nesta sexta-feira (18) o ministro do STF Gilmar Mendes cassou a nomeação de Lula como ministro da presidente Dilma Rousseff.

“Gilmar Mendes é um ministro partidarizado e sem isenção para julgar o ex-presidente Lula. Ele joga com a oposição e é a favor do golpe”, afirmou na mesma rede social. “Confio no Judiciário Brasileiro e no Supremo Tribunal Federal. Critico alguns juízes que se partidarizaram como Sérgio Moro e Gilmar Mendes”. Para Fontana, as argumentações de Mendes tem "baixo conteúdo jurídico e alto conteúdo político". 

O STF entrou em recesso branco na próxima semana devido ao feriado da Semana Santa e não tem nenhuma reunião ordinária do Pleno agendada. Para fazer este julgamento, Fontana pede que seja chamada uma sessão extraordinária pela gravidade da situação.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247