Fracasso na segurança pública faz PE despencar em ranking de competitividade

Fracasso na segurança pública e o consequente aumento da violência foram os principais fatores que levaram Pernambuco a despencar cinco posições no Ranking de Competitividade dos Estados 2017; Estado, que ocupava a 13ª colocação no estudo passado, agora aparece na 18ª posição; pesquisa, realizada pelo Centro de Liderança Pública (CLP) avalia dez pontos para elaborar o ranking, sendo a segurança pública um dos itens; neste quesito, Pernambuco registrou o pior desempenho de todos os 27 Estados do país.

Fracasso na segurança pública e o consequente aumento da violência foram os principais fatores que levaram Pernambuco a despencar cinco posições no Ranking de Competitividade dos Estados 2017; Estado, que ocupava a 13ª colocação no estudo passado, agora aparece na 18ª posição; pesquisa, realizada pelo Centro de Liderança Pública (CLP) avalia dez pontos para elaborar o ranking, sendo a segurança pública um dos itens; neste quesito, Pernambuco registrou o pior desempenho de todos os 27 Estados do país.
Fracasso na segurança pública e o consequente aumento da violência foram os principais fatores que levaram Pernambuco a despencar cinco posições no Ranking de Competitividade dos Estados 2017; Estado, que ocupava a 13ª colocação no estudo passado, agora aparece na 18ª posição; pesquisa, realizada pelo Centro de Liderança Pública (CLP) avalia dez pontos para elaborar o ranking, sendo a segurança pública um dos itens; neste quesito, Pernambuco registrou o pior desempenho de todos os 27 Estados do país. (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O fracasso na segurança pública e o consequente aumento da violência foram os principais fatores que levaram Pernambuco a despencar cinco posições no Ranking de Competitividade dos Estados 2017. O Estado, que ocupava a 13ª colocação no estudo passado, agora aparece na 18ª colocação. A pesquisa, realizada por meio de uma parceria, pelo Centro de Liderança Pública (CLP), Tendências Consultoria e Economist Intelligence Group avalia dez pontos para elaborar o ranking, sendo a segurança pública um dos itens. Neste ponto, Pernambuco obteve nota zero, num ranking de pontuação que varia de zero a cem, o pior desempenho de todos os 27 Estados do país.

"Pernambuco já vinha mal no indicador nos últimos 3 anos, mas piorou nesse último ranking, com a perda de seis colocações. As notas caíram em todos os indicadores, com destaques para taxa de homicídios, décit carcerário e mortes a esclarecer. Nesse último item estamos falando de falta de investigação dos casos", disse a diretora executiva do CLP, Luana Tavares, ao Jornal do Commercio. Um outro ponto que contribuiu para a queda do Estado no ranking foi o que diz respeito a sustentabilidade social.

A pesquisa aborda questões ligadas a infraestrutura, educação, inovação, potencial de mercado, segurança pública, solidez social, sustentabilidade social, sustentabilidade ambiental, potencial de mercado e capital humano para elaborar o Ranking de Competitividade dos Estados.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247