Francês confirma propina de 15% da Alstom em SP

Em primeira confissão por parte da multinacional do esquema de suborno na administração do tucano Mario Covas (1998), em SP, ex-diretor comercial André Botto diz que comissões foram elevadas para ganhar contrato com a EPTE e, assim, evitar licitação; propina alcançou R$ 7,8 milhões e foi paga também à Secretaria de Energia, na época comandada por Andrea Matarazzo

www.brasil247.com - Em primeira confissão por parte da multinacional do esquema de suborno na administração do tucano Mario Covas (1998), em SP, ex-diretor comercial André Botto diz que comissões foram elevadas para ganhar contrato com a EPTE e, assim, evitar licitação; propina alcançou R$ 7,8 milhões e foi paga também à Secretaria de Energia, na época comandada por Andrea Matarazzo
Em primeira confissão por parte da multinacional do esquema de suborno na administração do tucano Mario Covas (1998), em SP, ex-diretor comercial André Botto diz que comissões foram elevadas para ganhar contrato com a EPTE e, assim, evitar licitação; propina alcançou R$ 7,8 milhões e foi paga também à Secretaria de Energia, na época comandada por Andrea Matarazzo (Foto: Roberta Namour)


247 – Após a apreensão de um documento que sugere suborno da Alstom à agentes públicos da gestão de Mario Covas (PSDB), em São Paulo, depoimento de diretor francês revela mais detalhes do pagamento de propina.

Segundo depoimento à Justiça do ex-diretor comercial da multinacional, o engenheiro francês André Botto, a direção da Alstom na França autorizou o pagamento de propina de 15% sobre um contrato de US$ 45,7 milhões (R$ 52 milhões à época) para fechar um negócio com uma estatal paulista em 1998. A informação foi publicada pela Folha de S. Paulo.

Trata-se da primeira confissão do esquema de suborno por parte de um diretor da multinacional. Até então, a filial brasileira dizia desde 2008 que a empresa nunca pagou propina no país.

"O negócio era muito importante para a Alstom. Era importante ganhá-lo por meio de acordo e evitar uma licitação. Tivemos de pagar comissões elevadas, da ordem de 15% do contrato", contou Botto ao juiz Renaud Van Ruymbeke, em 2008. Se os 15% tiverem sido pagos, o suborno alcançou R$ 7,8 milhões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O esquema resultou no contrato com a EPTE (Empresa Paulista de Transmissão de Energia) e a Eletropaulo para a venda de equipamentos para três subestações de energia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O documento também menciona propina à Secretaria de Energia e às diretorias administrativa, financeira e técnica da EPTE. Na época, a pasta era comandada por Andrea Matarazzo - hoje vereador em São Paulo pelo PSDB (leia aqui).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email