Funcionárias de funerárias e IMLs denunciam casos de necrofilia

Nina Maluf, que trabalha no setor funerário no Rio Grande do Sul, também acusou as autoridades de ignorarem as denúncias

Necrotério no IML
Necrotério no IML (Foto: Shutterstock)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Nina Maluf, dona de uma funerária no Rio Grande do Sul, denunciou há três meses à Polícia Federal e ao Ministério Público o abuso de cadáveres femininos em Institutos Médicos Legais (IMLs) e funerárias. 

Em nota enviada ao Metrópoles publicada neste sábado (28), Nina relatou a desumanidade dos casos, o abuso que sofreu e o fato de as autoridades terem ignorado as denúncias.

“Repercutiu muito mal, só que para mim. Fui ameaçada de morte por gente perigosa e tenho filho pequeno. Fiz o que eu podia, fiz um trabalho fortíssimo durante anos a fio, porque para mim como mulher é algo inaceitável. As denúncias foram simplesmente ignoradas pelo meu segmento e pelas autoridades. Agora eu lavo as minhas mãos”, afirma Nina.

“A mulher é abusada até na morte”, acrescenta.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247