Golpistas tentam agredir manifestantes com barras de ferro em SP

Há semanas que os defensores do golpe ocupam uma calçada em plena avenida Paulista, uma das principais do país, com barracas, cartazes e faixas que pedem, entre outros absurdos, o “extermínio do PT” e o “fim do comunismo no Brasil”; neste domingo (24) os responsáveis pelo acampamento em frente à Fiesp, na avenida Paulista, partiram pra cima dos manifestantes pró-democracia com barras de ferro, paus e canos velhos

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Mariana Serafini, Portal Vermelho - Há semanas que os defensores do golpe ocupam uma calçada em plena avenida Paulista, uma das principais do país, com barracas, cartazes e faixas que pedem, entre outros absurdos, o “extermínio do PT” e o “fim do comunismo no Brasil”. Parece só coincidência, mas o discurso é exatamente igual ao da Marcha da Família com Deus de 1964, que insuflou a ditadura militar de mais de 20 anos.

Uma das principais propostas impulsionadas pela Fiesp é a precarização da CLT, ou seja, um ataque direto contra os trabalhadores. Mas ainda assim os golpistas avançaram com sangue nos olhos sobre quem defende a ampliação de direitos para defender a majestade do pato inflável.

Ironicamente apelidado logo em seguida de “Batalha do Patinho”, o conflito aconteceu porque a manifestação em defesa da democracia que começou no vão livre do Masp caminhou até a frente da Fiesp. Ao chegar lá os manifestantes foram recebidos com extrema violência por cerca de 15 pessoas que permanecem abrigadas no acampamento do golpe. Eles avançavam gritando “meu partido é o Brasil” ou “já ganharam o pão com mortadela?”, “seus assalariados da CUT”. O que os golpistas não sabiam é que a manifestação foi convocada por meio das redes sociais por cidadãos não necessariamente ligados aos movimentos sociais, mas conscientes da gravidade do quadro político nacional.

Entre os defensores da democracia estavam jovens, idosos e até famílias inteiras com crianças, brancos, negros, LGBT’s, representantes de torcidas organizadas, e claro, militantes de movimentos sociais, entidades estudantis, sindicatos e partidos políticos de esquerda.

Depois gritar muitas palavras de ordem, os manifestantes seguiram uma quadra mais, de forma pacífica, exatamente como chegaram, e encerram o ato. O recado foi dado: o golpe não vai avançar sem resistência popular. Em frente à Fiesp, os golpistas continuaram ameaçando quem ousasse chegar perto com as mesmas barras de ferro, paus e canos velhos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email