Governo de Minas começa a elaborar plano contra a pobreza no campo

Representantes de dez secretarias de Estado, da Emater, da Cemig, da Copasa, do Servas, Uemg e Fundação João Pinheiro (FJP) participaram de uma reunião para discutir a proposta que vai estruturar o projeto de lei que criará o Plano de Enfrentamento da Pobreza no Campo, o mais importante da governo Fernando Pimentel; serão investidos R$ 1,3 bilhão com objetivos como facilitar que populações consideradas "invisíveis" tenham mais acesso a serviços públicos como saúde, assistência social, educação, energia elétrica, água tratada e outros

Representantes de dez secretarias de Estado, da Emater, da Cemig, da Copasa, do Servas, Uemg e Fundação João Pinheiro (FJP) participaram de uma reunião para discutir a proposta que vai estruturar o projeto de lei que criará o Plano de Enfrentamento da Pobreza no Campo, o mais importante da governo Fernando Pimentel; serão investidos R$ 1,3 bilhão com objetivos como facilitar que populações consideradas "invisíveis" tenham mais acesso a serviços públicos como saúde, assistência social, educação, energia elétrica, água tratada e outros
Representantes de dez secretarias de Estado, da Emater, da Cemig, da Copasa, do Servas, Uemg e Fundação João Pinheiro (FJP) participaram de uma reunião para discutir a proposta que vai estruturar o projeto de lei que criará o Plano de Enfrentamento da Pobreza no Campo, o mais importante da governo Fernando Pimentel; serão investidos R$ 1,3 bilhão com objetivos como facilitar que populações consideradas "invisíveis" tenham mais acesso a serviços públicos como saúde, assistência social, educação, energia elétrica, água tratada e outros (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - Representantes de dez secretarias de Estado, da Emater, da Cemig, da Copasa, do Servas, Uemg e Fundação João Pinheiro (FJP) participaram, nesta quarta-feira (27), da Primeira Reunião Ordinária do Grupo Coordenador da Estratégia de Enfrentamento da Pobreza no Campo (Novos Encontros – Cidadania para Todos), que prevê investimento de R$ 1,3 bilhão. Na pauta da reunião, conduzida pela Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese), na Cidade Administrativa, a discussão da proposta que vai estruturar o projeto de lei que criará o Plano de Enfrentamento da Pobreza no Campo. Para isso, os participantes, 27 especialistas e técnicos que refletem a intersetorialidade do trabalho, definiram o regulamento que norteará as ações do Grupo Coordenador.

Lançado em 29 de junho, o Novos Encontros foi apontado pelo governador Fernando Pimentel como o ato mais importante de sua administração, até então. Será investido uma cifra bilionária com objetivos como facilitar que populações consideradas "invisíveis" tenham mais acesso a serviços públicos como saúde, assistência social, educação, energia elétrica, água tratada e outros. Na mesma ocasião do lançamento do Novos Encontros, o governador assinou o Decreto 339, criando o Grupo Coordenador.

Na próxima reunião, marcada para 17 de agosto, será discutida a proposta técnica de diagnóstico da pobreza no campo a ser feito pela FJP nos cinco territórios prioritários do Novos Encontros (Norte, Médio e Baixo Jequitinhonha, Alto Jequitinhonha, Mucuri e Vale do Rio Doce). Nesses territórios estão 27 municípios nos quais vivem 40,6% das famílias extremamente pobres inscritas no CadÚnico em Minas Gerais. Apesar de abrigar 17% da população total do estado, esses territórios representam apenas 8% do PIB mineiro.

*Com assessoria

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247