Governo do RS estuda criar polo aeroespacial

Apontada como uma das prioridades da Política Industrial do Rio Grande do Sul, a produção de microsatélite no Rio Grande do Sul foi tema de reunião na sede do BNDES, no Rio; O governador Tarso Genro discutiu o assunto com o vice-presidente do banco, Wagner Bittencourt; "Acertamos um regime de colaboração que já deu resultados em outros momentos", disse Tarso

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL: Governador Tarso Genro durante reunião com o Vice-Presidente do BNDES, Wagner Bittencourt.       Foto: Caroline Bicocchi/Palácio Piratini
PORTO ALEGRE, RS, BRASIL: Governador Tarso Genro durante reunião com o Vice-Presidente do BNDES, Wagner Bittencourt. Foto: Caroline Bicocchi/Palácio Piratini (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Governo do Rio Grande do Sul - Apontada como uma das prioridades da Política Industrial do Rio Grande do Sul, a produção de microsatélite no Rio Grande do Sul foi tema de reunião, nesta sexta-feira (21), na sede do BNDES, no Rio de Janeiro. O governador Tarso Genro, acompanhado dos secretários Mauro Knijnik (Desenvolvimento e Promoção do Investimento) e Vinícius Wu (Secretaria Geral de Governo), discutiu o assunto com o vice-presidente do banco, Wagner Bittencourt.

O objetivo é viabilizar o polo aeroespacial gaúcho através de um financiamento de algumas empresas que atuam no Estado nas áreas de automação e alta tecnologia. Os representantes do BNDES ficaram satisfeitos com a apresentação do projeto e estabeleceram o prazo de trinta dias para definir o cronograma de análise da proposta. "Acertamos um regime de colaboração que já deu resultados em outros momentos. O BNDES tem sido um grande parceiro no desenvolvimento do Rio Grande do Sul e pode ingressar em uma nova área", ressaltou o governador.

Técnicos do banco e do governo gaúcho vão se reunir nos próximos dias. O Grupo de Trabalho será responsável pelos estudos prévios de viabilidade. "Precisamos acelerar o processo. O Brasil ainda não produz microsatélite, enquanto alguns países já atuam com o nanosatélite. O Rio Grande do Sul tem empresas capacitadas para isso e nós estaremos junto na sustentação do polo", destacou Mauro Knijnik.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email