Governo estadual deve conceder incentivos a indústrias instaladas no Piauí

Projeto de Lei enviado à Assembleia Legislativa do Piauí nesta terça-feira (20 )prevê a concessão de diferimento e de crédito presumido do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Servços a estabelecimentos industriais e do setor energético; intuito da medida é incentivar a atração de investimentos para o Estado

Projeto de Lei enviado à Assembleia Legislativa do Piauí nesta terça-feira (20 )prevê a concessão de diferimento e de crédito presumido do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Servços a estabelecimentos industriais e do setor energético; intuito da medida é incentivar a atração de investimentos para o Estado
Projeto de Lei enviado à Assembleia Legislativa do Piauí nesta terça-feira (20 )prevê a concessão de diferimento e de crédito presumido do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Servços a estabelecimentos industriais e do setor energético; intuito da medida é incentivar a atração de investimentos para o Estado (Foto: Charles Nisz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Celina Honório

O Governo do Estado enviou à Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi), nesta terça-feira (20), a mensagem nº 26/2017, com o Projeto de Lei (PL) nº 21, alterando as leis nº 6.146, de 20 de dezembro de 2011; nº 4.257, de 06 de janeiro de 1989; e nº 6.949, de 11 de janeiro de 2017, que dispõem sobre a tributação estadual no que tange à cobrança do imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação (ICMS). 

O PL prevê a concessão de diferimento e de crédito presumido do ICMS a estabelecimentos industriais, agroindustriais e geradores de energia eólica e solar considerados relevantes para o Estado por motivo de implantação, relocalização, revitalização e ampliação das unidades fabris já instaladas. O acesso ao crédito presumido terá o prazo máximo de 20 anos e para ter acesso ao benefício as empresas deverão contratar, em até dois anos, 250 ou mais empregados diretos.

Conforme explica o secretário de Governo, Merlong Solano, o PL visa incentivar a atração de investimentos especialmente nos setores industrial e energético. “Além de adotar medidas necessárias à proteção e ao desenvolvimento socioeconômico do Piauí, o Governo está buscando, por meio do PL apresentado à Alepi, garantir a fiscalização tributária e combater a sonegação fiscal”, esclareceu o gestor da Secretaria de Governo (Segov). 

O secretário de Governo reforçou que a medida deve garantir mais segurança aos investidores e evitar que o Estado perca arrecadação. “Já tivemos caso de empresas que deixaram o Piauí em busca de maiores incentivos fiscais. Em tempos de crise econômica, isto deve ser evitado. Por meio da lei que deverá ser sancionada, caso aprovada na Alepi, o Estado poderá conceder incentivos fiscais a fim de propiciar o crescimento das empresas aqui instaladas, com o objetivo de incrementar a arrecadação estadual e estimular a geração de emprego e renda”, ressaltou Merlong.   

Regras
As empresas beneficiadas do regime previsto da lei terão diferimento do lançamento e do pagamento do ICMS, seguindo o percentual previsto em regulamento em operações que envolvem aquisição de mercadorias utilizadas no processo industrial; compra de aparelhos, peças e acessórios; importação de matéria prima e materiais secundários e de embalagem; e na utilização de serviços de transporte vinculados às operações. 

A apropriação do crédito presumido fica condicionada à aceitação, como base de cálculo dos valores fixados em listas de preços mínimos, divulgados pela Secretaria da Fazenda (Sefaz).

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247