Graneleiro da Vale será reparado na Turquia

Navio encalhado na costa do Maranho apresenta rachaduras em um de seus tanques; tcnicos faro reparos de emergncia para lev-lo ao pas europeu

Graneleiro da Vale será reparado na Turquia
Graneleiro da Vale será reparado na Turquia (Foto: PAULO WHITAKER/REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Uma comissão de deputados estaduais maranhenses visitaram o supergraneleiro avariado, Vale Beijing, que está fundeado na costa do Maranhão desde o inicio de dezembro, quando foram detectadas rachaduras em um de seus tanques de lastro enquanto era carregado com minério de ferro no Terminal Portuário de Ponta da Madeira (TPPM), que é operado pela mineradora Vale .

Durante a visita, os técnicos da empresa holandesa de salvatagem marítima, Smit, informaram que há duas rachaduras medindo 60 centímetros por 10 centímetros, monitoradas em tempo real por equipamentos instalados ao longo do navio, e que os reparos na embarcação podem levar de três meses a uma ano para ficar prontos. Os técnicos do armador sul-coreano que é dono do navio, a STX Pan Ocean, também disseram que a intenção é fazer reparos de emergência no Vale Beijing, para que seja possível leva-lo para a Turquia, onde ele passaria por reparos definitivos.

O grupo de deputados estaduais sobrevoou, de helicóptero, a região onde o navio está em companhia do capitão dos Portos do Maranhão, Nelson Calmon Bahia, e de um representante do armador sul-coreano dono do navio. Depois do sobrevoo, a aeronave pousou na embarcação e o grupo pôde acompanhar parte de operação de retirada de parte das 5 mil toneladas de óleo diesel e óleo bunker que estavam nos tanques de combustível do supergraneleiro.

Segundo Bahia, cerca de 1,5 mil toneladas já foram bombeadas para o navio tanque Sea Emperor, que presta serviço para Petrobrás, abastecendo outros navios de derivados de petróleo sem a necessidade de atracar em um dos três portos que compõem o Complexo Portuário de São Luís.

O capitão dos portos disse ainda que a embarcação correu sério risco de naufragar nos três dias em que permaneceu atracado ao cais do Terminal Portuário de Ponta da Madeira. "Devido às características da costa maranhense e pelas marés de sizígia (de Lua), por incrível que pareça, é mais seguro realizar estas operações onde hoje ele está fundeado do que no Porto, onde a embarcação poderia naufragar, Aí, sim, poderia ocorrer um desastre ecológico", comentou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email