Greg Rogowski, proprietário da marca Mining City, diz a verdade sobre 7 mitos de moedas criptográficas

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

À medida que o mundo aprende sobre as moedas criptográficas, o número de pessoas interessadas neste espaço dinâmico aumenta. Mas por vezes, quanto mais sabem, mais confusos ficam por alguns dos mitos persistentes associados ao criptográfico. Convidámos Greg Rogowski, fundador e proprietário da marca Mining City, a desmascarar alguns dos rumores mais persistentes que existem.

A Cidade Mineira é uma plataforma que fornece poder de pressão às pessoas interessadas nas moedas criptográficas, mas que não têm o seu próprio equipamento mineiro privado. "Estou sempre em contacto com a nossa comunidade. São frequentemente curiosos sobre os mitos que circulam no espaço da moeda criptográfica", diz Greg Rogowski. "Não é assim tão fácil distinguir os factos dos rumores, por isso estou sempre feliz por brilhar a luz da verdade".

Aqui estão sete dos mitos mais comuns sobre as moedas criptográficas e o que Greg Rogowski tem a dizer sobre elas.

PUBLICIDADE

1. As transações criptográficas são anónimas

Uma característica que é frequentemente citada como uma vantagem das moedas criptográficas é que todas as transações são anónimas. A verdade com a maioria das moedas criptográficas é que as transações não são “anónimas”, mas "pseudónimas" - um conceito que pode ser confuso para muitos principiantes.

A bitcoin e milhares de outras moedas não revelam qualquer informação pessoal. Se olhar para qualquer transação registada numa blockchain, esta pode ser considerada anónima. Mas as trocas de moeda criptográfica estão cada vez mais regulamentadas e exigem que os indivíduos se registem com uma Forma de Identificação reconhecida internacionalmente. Devido aos procedimentos que fazem parte deste quadro regulamentar, as transações podem ser rastreadas até um indivíduo identificável. 

PUBLICIDADE

Greg Rogowski: "As transações em moeda criptográfica permanecem anónimas a menos que sejam conduzidas numa troca de moeda criptográfica centralizada. Os regulamentos rigorosos impostos aos intercâmbios permitem às autoridades policiais aceder à base de dados da plataforma e ligar identidades a endereços criptográficos suspeitos de atividade ilegal".

2. O comércio de divisas moedas criptográficas é "dinheiro fácil".

Durante o próspero mercado de 2017, as bolsas de divisas criptográficas viram um afluxo de novos investidores que procuravam fazer dinheiro rápido e fácil. Isto foi possível graças à concepção de trocas criptográficas com o seu simples procedimento de registo. Assim nasceu o mito de se poder enriquecer da noite para o dia. Mas a facilidade de registo só se aplica ao comércio de divisas criptográficas. Quando se trata de fiat Money, não é assim tão simples. Os utilizadores têm de passar por rigorosos procedimentos de verificação. É verdade que os lucros potenciais no comércio criptográfico podem ser elevados, mas também o são as perdas. A natureza volátil e especulativa do mercado de moedas criptográficas torna-o um empreendimento de alto risco mesmo para os comerciantes mais experientes.

PUBLICIDADE

Greg Rogowski: "A melhor estratégia para principiantes no espaço criptográfico é comprar ou extrair as moedas criptográficas e mantê-lo até a moeda atingir um nível de preço desejado".

3. A taxa de hash Bitcoin não é real

Um dos mitos mais obscuros da lista é a crença de que a taxa de hash não é real e, portanto, é impossível provar que está a ser feito qualquer trabalho. Este mito pode ser refutado utilizando ferramentas matemáticas simples ou ferramentas livres como os exploradores de blockchain.

Com base no fator de dificuldade e no número de blocos minados, é possível calcular a taxa de hash das redes de blockchain mais populares. Pode não ser a tarefa mais divertida numa tarde de domingo, mas com um pequeno esforço, pode verificar as taxas de hash mesmo das maiores redes (até 1012 ou 1018) e prová-las como sendo verdadeiras.

Greg Rogowski: "Algumas moedas são segredo sobre a sua blockchain e taxa de hash. Mas os exploradores de blockchain de moedas criptográficas estabelecidas, tais como Bitcoin, Ethereum e Bitcoin Vault, estão publicamente disponíveis e podem ser examinados".

4. As moedas criptográficas permitem transações fraudulentas.

Uma vez que as moedas criptográficas só existem em formato digital, alguns temem que os hackear possam invadir o sistema e começar a fazer transações a seu bel-prazer. No entanto, uma vez que as moedas criptográficas funcionam com tecnologia de livro-razão distribuído, não podem ser pirateadas com qualquer equipamento disponível. 

Graças a esta tecnologia, os participantes da rede devem chegar a um consenso antes de acrescentar uma transação ao bloco. As moedas criptográficas mais proeminentes, tais como Bitcoin e Ethereum, têm milhares de participantes em todo o mundo que verificam constantemente as transações. Uma manobra fraudulenta teria de enganar 51% ou mais dessa comunidade criptográfica em particular para ter sucesso.

Greg Rogowski: “As moedas criptográficas funcionam com tecnologia de livro-razão distribuído. Isto torna-os muito resistentes à atividade fraudulenta e ao hacking. Bitcoin, a moeda criptográfica mais antiga em circulação, nunca foi pirateada ou permitiu uma transação fraudulenta nos seus 11 anos de  tecnologia”.

 5. A moedas criptográficas não pode ser utilizada para pagamentos.

As moedas criptográficas têm provado ser uma excelente reserva de valor nos últimos tempos. Mas persiste uma pergunta frequentemente colocada: o que posso comprar com eles?

A resposta não é assim tão difícil: pode comprar praticamente tudo! Os motores de busca como o Spendabit permitem-lhe navegar por milhões de produtos que pode comprar com Bitcoin.

A Xbox, PayPal e algumas companhias aéreas estão a começar a apoiar pagamentos criptográficos, marcando uma nova tendência em finanças. As moedas também podem ser gastas na maioria dos pontos de venda através de cartões criptográficos que funcionam como facilitadores na conversão de ativos criptográficos em moeda fiat. Embora esses cartões ainda não representem uma transação criptográfica direta, não faltará muito para que as pessoas comecem a utilizar moedas criptográficas para pagamentos na sua vida diária, diretamente a partir de carteiras criptográficas.

Greg Rogowski: "É possível usar as moedas criptográficas para comprar tudo o que o seu coração possa desejar usando múltiplas plataformas facilmente acessíveis! Múltiplos serviços principais já aceitam moedas criptográficas e à medida que a adopção em larga escala progride, mais vendedores começarão a considerar a criptografia como um método de pagamento prático".

6. As moedas criptográficas não são regulamentadas 

É verdade que alguns países impuseram restrições severas ou proibiram as moedas criptográficas, mas a maioria dos governos são a favor da sua adopção. 

Por exemplo, o governo dos EUA leilões de grandes quantidades de Bitcoin que apreende aos infratores da lei. Para mais informações sobre regulamentos de moeda criptográfica em todo o mundo, ver este artigo. 

Greg Rogowski: "Apenas um punhado de países decidiram proibir as moedas criptográficas. A maioria está a fazer esforços para incorporar a moedas criptográficas nos seus sistemas".

7. Só os criminosos usam moedas criptográficas

Este é o velho mito que se recusa a desaparecer, principalmente devido a concepções erradas e falta de informação. 

Infelizmente, por vezes as coisas criadas com boas intenções são utilizadas para fins maliciosos. É verdade que os criminosos recorrem a moedas criptográficas para evitar a detecção. Mas com os avanços na regulamentação global e medidas contra o branqueamento de capitais, está a tornar-se cada vez mais difícil conduzir tais atividades com moedas criptográficas, pelo que o dinheiro continua a ser a forma mais comum de transações no mercado preto, uma vez que não deixa nenhuma pegada digital.

Greg Rogowski: "A criptografia está à disposição de qualquer pessoa e foi adoptada por alguns indivíduos maliciosos. No entanto, os seus casos de utilização vão muito além dessas coisas ilegítimas. Os regulamentos globais estão continuamente a evoluir para desencorajar e impedir a utilização de moedas criptográficas em atividades ilegais".

É ainda um conceito confuso e estrangeiro para muitos, mas o fundador da Mining City acredita que as dúvidas se dissiparão gradualmente. "Há mais informação sobre o assunto e as moedas criptográficas estão mais presentes na sociedade. desejo que a linha entre a realidade e o mito se dissipe gradualmente e que um dia, em breve, floresça um ecossistema maduro de moedas criptográficas", conclui.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email