Guerra aberta no Ministério Público goiano

Benedito Torres e Ivana Farina voltam a uma situao de confronto depois de denncia de ligao do MP atual com a dupla Demstenes-Cachoeira. Benedito comunica seu impedimento em razo de exigncia legal

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás247 – As denúncias de ingerência da dupla Demóstenes Torres e Carlinhos Cachoeira no Ministério Público de Goiás, via irmão do senador, Benedito Torres, que é procurador-geral de Justiça no Estado, estão reacendendo uma guerra antiga entre promotores.

Benedito representa um grupo de força dentro do MP goiano. Contra este grupo há outro, que tem como representante, entre outros, a ex-procuradora-geral de justiça Ivana Farina. Divergentes, os dois têm em comum a afinidade com o governador Marconi Perilo (PSDB).

No domingo, Ivana Farina afirmou ao Correio Braziliense, que publicou as denúncias envolvendo o MP goiano, que “todo o reflexo da operação Monte Carlo é absolutamente grave, a partir de membro do MP licenciado, que é o senador (Demóstenes), foco da investigação, como também agora, em relação a esses novos fatos”. (leia mais)

Também ao Correio, Ivana afirmou que esta semana a instituição se mobilizaria para analisar o caso. E subiu o tom: “Existe uma organização criminosa no Ministério Público, que vem sendo investigada desde 2000, comandada por Cachoeira.”

O MP publicou nota, em reação às denúncias, e o procurador-geral evitou se manifestar. Hoje, o Correio volta ao tema, informando que o Ministério Público iniciará reuniões para avaliar as denúncias contra o senador e o seu irmão.

Na sexta, o Estadão, informou que o Ministério Público avalia pedir aposentadoria compulsória de Demóstenes, que é promotor de Justiça e está licenciado há 11 anos.

A proximidade do Ministério Público com Carlinhos Cachoeira é novidade. Mas a ligação com o governador Marconi Perillo é antiga. O marido de Ivana é hoje presidente da CelgPar e Celg GT. No ano passado, era diretor financeiro da Celg Distribuição e chegou a vice-presidente.

Benedito, irmão do senador, foi conduzido ao cargo de procurador-geral pelo governador. No final de março, um nome sempre ligado a ele – foi chefe de gabinete de Demóstenes quando este foi procurador-geral de Justiça –, o promotor Umberto Machado, assumiu a Secretaria de Meio Ambiente do Estado em lugar do deputado federal Leonardo Vilela (PSDB), que saiu para ser candidato a prefeito de Goiânia.

Leonardo que também aparece com ligações com Cachoeira – em uma, para pedir apoio do contraventor para o apoio de Demóstenes ao seu nome como candidato na capital

Reação

Hoje de manhã o procurador-geral de Justiça de Goiás, Benedito Torres, encaminhou ofício “dando conhecimento de fatos noticiados pela imprensa, e cópia de diversos documentos que desqualificam a ilação de suposta ingerência do senador Demóstenes Torres, cobre o MP-GO”, segundo informa o site da instituição.

Neste mesmo documento o procurador comunica seu impedimento em razão de exigência legal.

Abaixo, a nota no MP, e aqui o ofício do procurador-geral.

PGJ provoca apuração sobre suposta ingerência no MP

O procurador-geral de Justiça de Goiás, Benedito Torres Neto, encaminhou na manhã desta segunda-feira (16/4), ofício dando conhecimento de fatos noticiados pela imprensa, e cópia de diversos documentos que desqualificam a ilação de suposta ingerência do senador Demóstenes Torres, sobre o MP-GO, do qual é membro licenciado. No mesmo documento (leia o texto), o procurador-geral comunica seu impedimento em razão de exigência legal (art 8º, § 1º da Lei Complementar 25/98).

O expediente foi direcionado ao decano do Colégio de Procuradores do MP, procurador de Justiça Pedro Tavares Filho. Benedito Torres também encaminha o comunicado e os documentos ao Corregedor do MP, Ailton FlávioVechi, e ao Conselho Nacional do MP (CNMP) em Brasília.

Abaixo, a informação do Correio:

MP inicia hoje reuniões para avaliar denúncias contra Demóstenes e irmão

Júnia Gama

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) se reúne hoje em Brasília para discutir o teor das interceptações telefônicas reveladas neste fim de semana pelo Correio, em que o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) garante ao bicheiro Carlinhos Cachoeira a interferência em assuntos internos do Ministério Público de Goiás. A ingerência no órgão seria feita por intermédio de seu irmão, o procurador-geral de Justiça do estado Benedito Torres.

Os 14 conselheiros tomaram conhecimento das reportagens e começaram a se comunicar, ontem, para agendar as reuniões desta segunda-feira, em que o tema será tratado. Amanhã, na primeira sessão plenária do órgão após a publicação das gravações, os membros do CNMP darão um “encaminhamento” ao caso. “A gente vai ter que se manifestar em algum momento sobre isso”, aponta a conselheira Taís Ferraz.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email