Humberto Costa e Jean Wyllys são agredidos no Uruguai

O senador Humberto Costa (PT-PE) e o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) foram agredidos por um brasileiro enquanto almoçavam após uma reunião da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos do Parlamento do Mercosul (ParlaSul), em Montevidéu; eles foram questionados pelos votos "a favor da Dilma", em uma referência à votação que admitiu o processo de impeachment nas duas Casas, e por terem "assinado contra o Moro" um pedido de abertura de processo disciplinar pelo CNJ; confira o vídeo

O senador Humberto Costa (PT-PE) e o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) foram agredidos por um brasileiro enquanto almoçavam após uma reunião da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos do Parlamento do Mercosul (ParlaSul), em Montevidéu; eles foram questionados pelos votos "a favor da Dilma", em uma referência à votação que admitiu o processo de impeachment nas duas Casas, e por terem "assinado contra o Moro" um pedido de abertura de processo disciplinar pelo CNJ; confira o vídeo
O senador Humberto Costa (PT-PE) e o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) foram agredidos por um brasileiro enquanto almoçavam após uma reunião da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos do Parlamento do Mercosul (ParlaSul), em Montevidéu; eles foram questionados pelos votos "a favor da Dilma", em uma referência à votação que admitiu o processo de impeachment nas duas Casas, e por terem "assinado contra o Moro" um pedido de abertura de processo disciplinar pelo CNJ; confira o vídeo (Foto: Paulo Emílio)

247 - O senador Humberto Costa (PT-PE) e o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) passaram por um constrangimento público enquanto almoçavam após uma reunião da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos do Parlamento do Mercosul (ParlaSul), em Montevidéu, no Uruguai. Costa e Wylis foram abordados durante o almoço por um brasileiro que os questionou pelos votos "a favor da Dilma", em uma referência a admissibilidade do processo de impeachment da presidente eleita Dilma Rousseff.

O homem também acusou os parlamentares de terem "assinado contra o Moro" [juiz federal Sérgio Moro, que atua na Operação Lava Jato em uma referência a uma representação assinada por parlamentares ligados à Dilma Rousseff que pedia a abertura de um processo disciplinar contra o magistrado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Visivelmente irritado, Huberto diz incialmente que eles estavam ali "trabalhando". Em seuida, questiona a autoridade do homem que agride o grupo e em seguida eleva o tom: "Dá seu nome que eu vou lhe processar", diz. "idiota", completa. Jean Wyllys não se pronunciou durante o bate boca.

No evento do Parlasul, além de Costa e Wyllys, também participaram a senadora Lídice da Mata (PSB-BA) o deputado federal Roberto Freire (PP-SP).

Nesta semana um outro parlamentar, o deputado federal e presidente nacional do Solidariedade (SD), Paulinho da Força, foi chamado de "golpista" e de "Paulinho da farsa" durante um voo comercial que seguia de São Paulo para Brasília. O SD integra a base do governo do presidente interino Michel Temer.

 Confira o vídeo com a confusão. 

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247