Inflação é a maior para novembro desde 2003

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acelerou a alta a 1,01% em novembro, depois de subir 0,82% em outubro, informou o IBGE; no acumulado em 12 meses até novembro, o IPCA subiu 10,48% em novembro, superando a barreira dos dois dígitos pela primeira vez em 12 anos

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acelerou a alta a 1,01% em novembro, depois de subir 0,82% em outubro, informou o IBGE; no acumulado em 12 meses até novembro, o IPCA subiu 10,48% em novembro, superando a barreira dos dois dígitos pela primeira vez em 12 anos
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acelerou a alta a 1,01% em novembro, depois de subir 0,82% em outubro, informou o IBGE; no acumulado em 12 meses até novembro, o IPCA subiu 10,48% em novembro, superando a barreira dos dois dígitos pela primeira vez em 12 anos (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acelerou a alta a 1,01 por cento em novembro, depois de subir 0,82 por cento em outubro, acima do esperado, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.

No acumulado em 12 meses até novembro, o IPCA subiu 10,48 por cento em novembro, contra 9,93 por cento em outubro, superando a barreira dos dois dígitos pela primeira vez desde novembro de 2003 (11,02 por cento). A expectativa em pesquisa da Reuters era de alta mensal de 0,95 por cento em novembro, chegando em 12 meses a 10,41 por cento.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247